A cura de Naamã 29

(II Reis 5)

— QUÊ?! — enfurecido e assustado, o rei de Israel arranca mais um chumaço de cabelos da lateral da cabeça.
— É isso mesmo — responde o mensageiro, sem alterar o tom de voz.
O rei desamarrota a carta como pode e a relê. Não há dúvida, é aquilo mesmo: o rei da Síria quer que ele cure de lepra um comandante de seu exército. E não é qualquer comandante: trata-se de Naamã que, além de herói sírio, é também muito querido entre os partidários dos profetas de Israel, já que foi de seu arco que saiu a flecha que feriu e matou o rei Acabe. Pelo menos era isso que se dizia por aí, e Naamã não desmentia. Enfim, uma figura importante de um reino vizinho com o qual Israel mantinha relações delicadas.
— Mas será que esse puto de merda está pensando que eu sou Deus, porra? Como é que eu vou curar esse milico? Assoprando a lepra dele?
— Alguém falou em curar?
— Eliseu! Chegou em boa hora! Imagine que…
— Eu sei, eu sei. O rei da Síria. Naamã. Lepra.
— Como você sabe?!
— Um negócio novo que eu estou testando. Viagem astral, coisa de maluco. Saio do meu corpo, ando por aí bisbilhotando. É legal.
— Parece coisa de espiritismo barato…
— O senhor já ouviu falar na história das ursas, majestade?
— Tá, tá. Desculpe. Você pode me ajudar?
— Vamos ver.

Tudo um mal entendido, claro. Naamã tinha uma serva israelita, uma menina que havia tomado como prisioneira numa de suas incursões contra Israel. A menina o aconselhara a procurar o grande profeta Eliseu. Naamã conversou com o rei, que passou o recado para um, que o passou para outro, que o levou adiante. Quando chegou ao mensageiro, a mensagem já estava distorcida, e Eliseu fora trocado pelo rei de Israel.
Desfeito o engano, a resposta foi enviada ao rei sírio: Eliseu aceitava o encargo. Dias depois, Naamã chegou a Israel. Todo paramentado e engalanado, montado num cavalo imponente e acompanhado por um cordão de puxa-sacos de altíssima estirpe, o comandante parou na porta da casa de Eliseu. Vendo aquele aparato todo, o profeta não resistiu: em vez de sair para cumprimentar tão ilustre figura, como era de se esperar, mandou seu empregado receber Naamã.
— Seu Naamã, sou empregado do profeta Eliseu.
— …
— Ele mandou dizer que é pro senhor mergulhar sete vezes no Jordão.
— …
— …
— É isso?!
— Xeu ver… Sim, é isso. Nem seis, nem oito.
— MAS QUE GRANDE FELADAPUTA ESSE SEU PATRÃO DE MERDA! Eu venho aqui esperando que o puto se digne ao menos a me receber, a fazer uns passes, umas pajelanças, um troço qualquer para me curar, e o que ele faz? Fica coçando o cu lá dentro enquanto um bosta qualquer vem me dizer pra ir nadar no Jordão. No Jordão! Os rios Abana e Farpar, lá em Damasco, são melhores do que esse córrego sem vergonha. Se é pra mergulhar, mergulho em casa, não viajo até este lugar besta!
Emputecido, o comandante deu meia-volta, disposto a voltar à Síria. Foram seus empregados que o dissuadiram:
— Comandante, se o profeta mandasse o senhor fazer alguma coisa complicada, o senhor não faria?
— Ah, depende. Sei lá. Esse puto.
— Ô, comandante… Ele só falou pro senhor tomar um banho no rio. Custa?
— Mas ele precisava me humilhar desse jeito? Mandar um empregado falar comigo, já se viu?
— Custa?
— …
— Custa?
— PUTA QUE PARIU! Cadê minha toalha? Dá aqui. Vamos ao Jordão.
Seguindo as instruções do profeta, Naamã mergulhou sete vezes no rio. Quando saiu, sua pele, que já estava quase toda branca, primeiro estágio da lepra, havia voltado à cor e textura normais. Macia, hidratada, firme, sedosa, um pêffego. Envergonhado, o militar voltou à casa de Eliseu.
— Profeta! — ele gritou do quintal — Agora eu sei que Javé, deus de vocês, é o fodão mesmo. Permita que eu lhe dê um presente em sinal de gratidão e também como pedido de desculpas por minha impertinência.
— Deixe isso pra lá, Naamã. Vejo que está curado e fico feliz. Isso basta. Pode voltar para sua casa.
— Hum. Permita ao menos que eu leve duas mulas carregadas de terra.
— Ué, a terra é de graça. Mas para que você a quer?
— Cada deus tem sua terra, não é? Baal na Babilônia, Dagom na Filistia, Javé em Israel. Então. Vou levar terra de Israel para a Síria, para poder adorar Javé sobre ela.
— Idéia besta… Bom, leve a terra. Não há problema.

Eliseu voltou para dentro de casa e Naamã seguiu seu caminho para a Síria, de pele limpa e convertido à religião israelita. Um final que seria perfeito, não fosse a ganância de Geazi, o empregado de confiança de Eliseu. Ao ver que o patrão recusara qualquer pagamento pelos serviços prestados, Geazi quase se rasgou de ódio. Determinado a tirar algum proveito da situação, saiu no rastro de Naamã, alcançando-o já na estrada, fora da cidade.
— Que aconteceu?
— Nada não, seu Naamã. Bobagem. Uma coisinha besta. Um negocinho de nada. Uma bestagem mesmo. Xi, nem vale a pena falar. Coisa pouca.
— Fala, diabo!
— Bom. Assim que o senhor saiu lá da casa do patrão, chegaram dois profetas de longe, lá das montanhas de Efraim, aquele sertão brabo.
— Hum?
— Aí o patrão me mandou aqui para ver se o senhor teria como emprestar duas mudas de roupa e uns quilos de prata. Coisa pouca. Trinta quilos, sei lá. O que der.
— Mas está vendo só? Eu me ofereci para pagar, seu patrão não aceitou. Agora vem uma situação assim. Vê como as coisas acontecem? Meu filho, leve logo sessenta quilos de prata, que eu ainda acho pouco.
— Arredonda pra cem, então.
— Não abusa.
Geazi voltou à cidade feliz da vida, acompanhado por dois empregados de Naamã para ajudá-lo a carregar a prata. Quando chegou, guardou o presente do comandante em sua casa e dispensou os dois ajudantes. Ia voltando para dentro quando ouviu a voz de Eliseu. Seca.
— Aonde você foi?
— Eu? Fui? Ah! Nada. Nada não. Nada mesmo. Fui ali. Ali, depois lá naquele outro lugar. Comprar cigarro e tal.
— CORNO MALDITO! Meu espírito estava ao seu lado enquanto você negociava com Naamã. Será que você não viu que eu recusei o pagamento?
— …
— HEIN?
— Hã?
— FELADAPUTA! Você quer a prata de Naamã, as roupas dele? Você deseja ter essas coisas?
— Pois é, patrão.
— Tudo bem, então.
— Cumé? Tudo bem?
— Tudo bem, claro. Aliás, Naamã deixou uma coisa aqui e eu vou dá-la a você. Adivinha o que é?
— Hmmmm… Ouro?
— Não…
— Pedras preciosas?
— Não…
— iPod?
— Não…
— Ô, patrão, não agüento de curiosidade! O que foi que Naamã deixou pra mim?
— LEPRA!
Ao sair da casa do patrão, Geazi já tinha a pele toda esbranquiçada e quebradiça. Dali a uns dias, teria de buscar a bunda na esquina quando peidasse.

Posts aleatórios

Loading…

29 thoughts on “A cura de Naamã

  1. Reply Vitor Nov 6, 2007 07:33

    Ave!
    Bem Vindo de volta!

  2. Reply Débora Nov 6, 2007 09:46

    Nossa, cada vez melhor.
    Por favor, não fique (mais) convencido. Intrua–nos sempre para que deixemos de ser esses cristãos-pagãos que mal conhecem a bíblia, ok?

  3. Reply Daniel Farinha Nov 6, 2007 09:50

    Nossa… como eu precisava dessa dose… Crise de abstinência, por enquanto, amenizada.

    Atenciosamente,

    Daniel Farinha

  4. Reply Bonilha Nov 6, 2007 10:18

    Até que enfim!!!
    Ótimo como sempre, pena que agora só ano que vem. rs

  5. Reply Marcos Laureano Nov 6, 2007 10:47

    Show!! Pena que neste ritmo só vai terminar quando estiver com a idade do Matusa… ;)

  6. Reply Chicão Nov 6, 2007 12:28

    hehehe Muito bom!

    É sempre bom ler seus texos nas manhãs extressantes de trabalho!

    Abraços

  7. Reply Leonardo ferlin Nov 6, 2007 14:57

    Aleluia caraio!! Deus existe! ¬¬
    Hahahahhaaha, ipod?, hahahahahaha.
    Ficou bom demais. Bom saber que não perdeu o ritmo.

  8. Reply Melissa Nov 6, 2007 16:11

    Aiai, Marco. Esse último parágrafo quase fez eu perder meu emprego. Ri demais!
    Bom saber que mesmo depois da longa seca você não perdeu o jeito.

  9. Reply MR BLACK Nov 6, 2007 16:47

    BELA PASSAGEM, MARCURÉLIO MISIFIO!
    AGORA VÊ SE ADIANTA O PRESENTE DE FIM DE ANO… ABCS

  10. Reply Garcia Nov 7, 2007 00:50

    Pra largar de ser interesseiro e mentiroso.

  11. Reply Cris Nov 7, 2007 12:59

    … porque Deus é justo…

  12. Reply Agnaldo Nov 7, 2007 13:01

    é, fiote… demora.

    Mas é uma beleza!!!

    Um primor…

    Uma obra de arte…

    (vamos ver se com essa veadagem rasgação de seda o marcorélio se anima a escrever mais um capítulo nessa década, ainda… eheheh)

  13. Reply Dr. Gori Nov 7, 2007 16:32

    Eu tinha um amigo fanho que vivia dizendo Naamã. Depois de anos fomos descobrir que o que queria dizer era “amanhã não porque eu tenho dentista”. E é verdade, os dentes do cara eram bem brancos.

  14. Reply Iara Nov 7, 2007 18:14

    Muito bom!!!!!! Escreveu depois de dormir bem, ou foi inspiração do exu do JMC? (eu não lembrava do exu do Winamp, acho que passei a ler o blog no ano seguinte, em 2004)

  15. Reply Lilly - BH Nov 7, 2007 18:16

    Eu adoro esses textos!!!!!
    Parabéns! Parabéns! Parabéns! Parabéns!

    Escreve mais?

  16. Reply Nilton Nov 7, 2007 19:49

    o Eliseu está fodão, e o Marcos continua bom como sempre

  17. Reply Rodrigo Nov 7, 2007 21:54

    Mto bom…
    ps.: rapá, vai ficar rico com esse novo anúncio google sobre fofoca de blogs…geral deve tá clicando…vc merece.abç

  18. Reply Nilton Nov 8, 2007 12:56

    “…teria de buscar a bunda na esquina quando peidasse.”

    Meu, os colegas do serviço pensaram que fiquei louco de tanto rir. Vão acabar cortando minha Internet!!!

  19. Reply Fernando Thadeu Nov 9, 2007 13:52

    Du caraiiiii véi!!!!
    ahuauha……já estou falando igual o hemanoteu dos melhores do mundo…..hahaha……foda!

  20. Reply Leo Irmão do Hermanoteo Nov 9, 2007 16:53

    Muito bom, Marcuréio!

    Principalmente a parte da bunda final!
    Ou seria final da bunda? Enfim.

    Abrax

  21. Reply Lele Rizzo Nov 11, 2007 15:28

    Até que enfim, hein..hehehehe
    Muito bom, muito bom, aguardando ansiosamente novo capitulo (Deus existe?)

    beijos

  22. Reply Vivian Martins Nov 12, 2007 13:37

    Comecei a ler agora a biblia sacaneada, é meu primeiro capítulo, ñ dá p/ entender mto bem mas é engraçado demais!!!usahuhsusahasusa
    Me acabando d rir aqui marcurélio vc é genial, muito bom msmo!Incrível,realmente uma obra d arte.(pronto, parei com a rasgação d seda, mas vê se faz capítulo novo logo hein!)

    Beijos!

  23. Reply Cris Mar 20, 2008 03:03

    Parabéns pelo trabalho de vcs, é de fácil entendimento e torna a memorização muito mais marcante, se não fosse os palavriados, um tanto vulgares, poderia até imprimí-los e colocar no mural da igreja ou do trabalho, seria uma forma e tanta de evangelismo.

    Que Deus os abençoe!!!

  24. Reply Naaman Sousa de Figueiredo Mar 20, 2008 23:55

    Até que enfim! Valeu!

  25. Reply Sâmela Andrade Apr 17, 2008 09:27

    Isso que é palavra prajovem e adoslescente…o melhor que já vi. parabens!

  26. Reply Alessandro Rodrigues Jan 15, 2009 12:46

    Sinceramente , oque não aprendi em 20 anos lendo a Biblia, eu aprendi em 2 meses com as suas sátiras. Acho que o fato de usar uma linguagem mais popular e direta facilita a gente a visualizar a história. Sua versão da destruiçao de Sodoma é tão humorada que lê a biblia (na sua versão) ficou uma coisa divertida, bem diferente daquela linguagem chata e academica da Holy Bible. Minha unica reclamação é que você não deu continuação as releituras dos outros livros, principalmente do novo testamento. Mas “Se Deus quiser e ele há de querer” um dia suas sátiras serão publicadas e vendidas em bancas de jornal.

  27. Reply rogerio Mar 7, 2010 23:10

    MUITO BOM QUE DEUS CONTINUI TE ABENÇOANDO CADA DIA MAIS

  28. Reply Euclides Mariano Sep 24, 2010 21:49

    Você consegue entender e passar a história com bastante facilidade…
    Muito bom, muito bom mesmo…
    Não fosse os palavrões seria melhor ainda… porque poderiamos usar seus texto na igreja…
    Porque muitas pessoas tem dificuldades de entender a biblia, e você conta a historia de uma forma muito mais fácil de entender e memorizar.

    Que Deus te abençoe muito!

  29. Reply Paulo Cézar de Lima Jun 24, 2012 13:48

    Desculpe-me a por entrar sem bater, ou seja: não sou convidado a participar, mas gostaria de fazer um comentário sobre a maneira que foi apresentada a cura de Naamã. Sei que estamos no século 21, muita coisa mudou acompanhando a evolução dos tempos, mas tem coisas que jamais mudarão!
    Por exemplo: Deus, em Malaquias 3:6, Jesus, Hebreus 13:8 e a Palavra ” Santas Escrituras, Lucas 21:33. Em Apocalipse 22:18 e 19. Meditem no que está escrito neste livro santo, pois ele aberto é a boca de Deus falando. Agora, querer introduzir termos perjorativos, cheios de gírias mundanas , expressões que denigram a pureza da Palavra de Deus, é loucura. Por isso naquele grande Dia: muitos virão contando as coisas que fizeram em nome do Senhor Jesus, como: Ensinar, curas e expulsando demônios, Jesus dirá, Mateus 7:22 e 23 ” Não vos conheci” Portanto vigiai pois pelas suas palavras sereis justificados e por suas palavras sereis condenados. Que o Senhor vos abram os olhos e tenham temor de não tocarem nas coisas santas de Deus.
    No amor de Cristo.

Diga aí!