Oguniê! (um post tão grande que tem até intertítulos) 53

Todo ser humano tem uma missão nesta vida, uma busca que é sua obsessão e sua motivação para continuar. Levado pelos caminhos de minha própria busca, fui a um terreiro de Candomblé no último sábado para ver a festa de Ogum. Não, não fui em busca de conforto espiritual nem de respostas para minhas dúvidas. Minha busca, minha missão, podia ser resumida numa só palavra, proferida com volúpia por meu cunhado: feijoada. Haveria lá uma cerimônia qualquer para o orixá, e depois feijoada à vontade pra todo mundo.

Indo, portanto, contra todos os meus preconceitos de educação protestante, fui até o alto de uma favela no Embu para ver que diabo era o tal Candomblé. Comigo iam Ana Cartola (claro), sua irmã, seu convincente irmão e sua (dele) esposa. Depois de ver as casas simples no caminho (ruas escuras, cada qual com seu respectivo cu na mão) foi um susto ver todos aqueles carros, alguns deles caros, estacionados. Passamos por um portão, descemos uma ladeira e lá embaixo, transpondo a porta que ficava entre esculturas que representavam um búfalo e um veado, entramos no templo.

Decepção total: com suas luminárias bonitinhas, janelas com vitrais e platéia vestida normalmente, o terreiro parecia uma igreja. A diferença era dada principalmente pela disposição das coisas: em vez de filas de bancos de frente para o altar, um retângulo vazio no meio, enquanto nós, curiosos e não iniciados, nos acomodávamos como podíamos ao redor. Lá na frente, grandes cadeiras trabalhadas pareciam prontas a receber a elite do culto. No canto esquerdo, os instrumentos, mesmo lugar reservado aos músicos na igreja que freqüentei até os 20 anos de idade. Em vez de guitarra, baixo, bateria e um órgão velho, porém, dois atabaques, uma cabaça, um agogô, três biliques, um cambão-de-foles e sete traquebuquis (tá, esses três últimos eu inventei) ocupavam o espaço.

A cerimônia logo começou. Outra decepção: em vez de negros retintos com roupas brancas de algodão cru rodopiando em extático frenesi e sangrando animais, o que vi foram pessoas de todas as raças (inclusive uma mãe-de-santo japonesa, empolgadíssima) numa coreografia organizada e, depois de um certo ponto, previsível. Ao que parece, é uma dancinha diferente para cada orixá, cada uma acompanhada por seu canto correspondente, puxado pelo babalorixá, um sujeito que ficava lá na frente, de pijama, apenas acompanhando o ritmo com o corpo. Os participantes saudavam o babalorixá com reverências complexas, depois faziam o mesmo virados para a porta de entrada.

Chamou-me a atenção a grande quantidade de bichas entre os participantes do ritual. Não é para menos: enquanto a maioria das religiões disponíveis por aqui condena e rechaça os homossexuais, o Candomblé não só os aceita como estimula a veadagem. É uma religião de muito luxo, roupas coloridas, dança, música, reverências, com os celebrantes sendo ao mesmo tempo centro das atenções. Não há veado que resista.

O duro ofício de flanelinha

Depois de um tempo, porém, o bicho começou a pegar. O babalorixá anunciou que uma das celebrantes receberia um cargo naquela noite. Depois de fazer um comentário infeliz sobre gente de cabeça pequena e gente de cabeça grande (o que me fez virar alvo de chacota), recomeçou a batucada.

Uma das moças que dançava deu um grito, fez um beiço do tamanho de um filé do Outback e começou a andar de forma estranha. Logo outros começaram a incorporar seus orixás. Cada um se comportava de uma forma: uma bichinha que parecia o Marquinhos Moura incorporou a ararinha azul (o que é bom, com a espécie ameaçada e tal), um negão recebeu o Mussum, outro pegou um jogador de basquete. Comum a todos eles, o beiço. Orixá deve ser um bicho muito beiçudo: quando baixa, trata logo de fazer bico.

Bom, com uma galera considerável servindo de busão de orixá, um sujeito separou os incorporados. “É o flanelinha de orixá”, explicou meu cunhado. E era mesmo. O cara pegava cada um dos incorporados, fazia com ele a dança de seu santo e depois estacionava o sujeito.

Outra constatação: o candomblé é a religião mais contraproducente que existe, é um verdadeiro desperdício de energia. Primeiro todo mundo canta, dança e bate tambor pros orixás descerem. Quando, aporrinhados por tanto barulho, os santos resolvem atender ao chamado, os felasdaputa começam a cantar, dançar e bater tambor de novo para mandá-los de volta. Eu, se fosse orixá, mandava esse povo tomar no cu e nunca mais baixava em terreiro nenhum.

Intermezzo

Estacionados os orixás, o pessoal começou a sair. Oba, feijoada. Já era tempo. Lá fora, a não ser pelos muitos cigarros acesos com sofreguidão, o ambiente lembrava uma saída de igreja: grupinhos conversando, crianças correndo, misteriosos nigerianos falando ao celular. Tá, na minha igreja não tinha os nigerianos também, mas o resto era igualzinho. Aquele clima de “ok, tivemos uma experiência sobrenatural, testemunhamos a ação de forças que não compreendemos, agora vamos falar da novela”.

Eu e Ana Cartola só pensávamos na feijoada quando veio o balde de água fria: era só um intervalo, ainda teríamos mais batuque pela frente. De fato, após um tempo, o pessoal começou a voltar para dentro e se acomodar. Minutos depois, ouvimos o som do cambão-de-foles. Uma senhora muito simpática saiu lá de dentro sobraçando vários pacotinhos feitos de folhas. Dentro deles, pedaços de inhame cozido. Parte do ritual exigia que os participantes comessem um pedaço do inhame e devolvesse a metade para um balaio. Não era a feijoada ainda, mas era comida, então aceitamos.

Continuamos do lado de fora, e sem querer presenciamos um dos pontos altos da festa: um negão saiu lá de dentro, todo vestido de branco, levando o balaio cheio de restos de inhame e empunhando um facão. Atrás dele não um, mas dois flanelinhas de orixá. “É a noiva do Exu!”, constatou minha doce namorada. Não era. Tratava-se de Ogum, o dono da festa, carregando sua oferenda para dentro do mato.

O dono da festa

Voltamos para dentro, e depois de um tempo o rapaz com Ogum incorporado retornou. Vinha agora todo paramentado de azul, ainda com o facão na mão. Esse deu trabalho para os flanelinhas: dançou, pulou num pé só, rodopiou. De vez em quando triscava o facão no chão, arrancando de alguns celebrantes a saudação do orixá, “Oguniê!”. Um rapaz que estava bem de frente para mim parecia particularmente assustado com o facão. Sempre que Ogum chegava perto, ele levantava as duas mãos e sussurava a saudação. Vi em seus olhos a semente do ceticismo.

Num determinado momento, chegou a hora da sacolinha. As pessoas pegavam cédulas dobradas, davam uma volta ao redor da própria cabeça, outra ao redor da cabeça de Ogum (sempre de olho no facão), e a depositavam lá na frente.

Durou muito tempo a dança de Ogum. Uma eternidade, na verdade. Pessoas da platéia receberam lá seus orixás, e os atabaques não paravam nunca mais. Quando eu já pensava num pretexto qualquer para ir lá fora, a festa acabou. Que viesse a feijoada.

Enfim, a feijoada

Do lado de fora do templo, numa área com mesas e cadeiras de ferro, o pessoal começava a se reunir. Sentamo-nos, os infiéis, numa mesa um tanto afastada e ficamos observando o movimento. Pessoas chegavam perto do babalorixá e se deitavam de bruços para saudá-lo. Alguns fumavam. Colocaram um samba para tocar, e lá vieram os panelões fumegantes. Atrás do balcão, as mães-de-santo. Entre elas a japonesa, que dançava e cantava acompanhando Zeca Pagodinho.

O babalorixá se aproximou para nos cumprimentar. Foi simpático:

— Gente, mas o que vocês vieram fazer na macumba? Não sabem que isso é baixo espiritismo?!

E depois, mais sério:

— A nossa religião é muito mal compreendida. É muito preconceito, muitas idéias errôneas.

Concordamos. Eu, de minha parte, concordaria com tudo, desde que tivesse logo acesso ao meu prato de feijoada.

Enquanto os outros enfrentavam uma fila para pegar seus pratos, nós fomos agraciados com serviço diferenciado. Uma senhora muito prestativa nos ofereceu cerveja, refrigerante, e depois mandou servir nossa feijoada. Meu povo, eu digo sinceramente: valeu cada segundo de batuque.

Depois de alimentados, fomos conhecer o museu da casa. Muito bonito e bem organizado, o museu tem representações de todos os orixás, suas cantigas em iorubá e português e as características dos filhos de cada um deles. Após a visita (conduzida por um guia acometido de um tique nervoso quase imperceptível), fiquei me perguntando por que ali não havia qualquer informação sobre Xogum. Antes que eu proferisse a pergunta em voz alta e fosse para sempre condenado ao ostracismo pela família da namorada, meu próprio id bronqueou: não tinha xogum porque os xoguns não eram orixás e eram todos japoneses.

O sacerdote

De volta à mesa, fomos agraciados pela companhia do babalorixá. Novamente ele falou sobre a pouca compreensão a respeito da religião e nos explicou: o Candomblé não é uma religião africana, mas sim egípcia, trazida pelos atlantes (!!!). Condenou o sincretismo religioso (“É uma praga”), o cristianismo (“Um homem morrer e ressuscitar é um absurdo. Basta raciocinar, gente!” — como se não fossem absurdas as incorporações de santos, isso sem falar no continente submerso de Atlântida), o islamismo, a Umbanda (“É uma mistura danada, um horror, uma deturpação”). Explicou que lia de tudo (“Só não leio Machado de Assis nem aquele outro, Salamargo” — com um “e quem lê?” nas entrelinhas). Contou que chegara a cursar o seminário (“Larguei depois do Concílio Vaticano II, aquilo foi uma distorção” — com o tom de quem critica as novas regras do vôlei). Falou que a religião foi distorcida porque foi entregue nas mãos de mulheres, mães-de-santo que não sabem nada. Foi a surpresa maior da noite: o babalorixá não passava de mais um sacerdote fundamentalista e misógino.

Epílogo

Foi engraçado, em alguns momentos estranho, em outros muito bonito. Mas da próxima vez chega de macumba pra turista, quero ver os negões bebendo sangue de galinha. Porque no fim das contas eu estranhei mais as semelhanças do que as diferenças.

53 thoughts on “Oguniê! (um post tão grande que tem até intertítulos)

  1. Reply ale siedschlag May 4,2007 00:06

    os dois últimos que fizeram crônicas a respeito do candomblé viraram um búfalo e um veado e estão petrificados na porta de um templo, dizem.

  2. Reply Marco Aurélio May 4,2007 00:09

    Eu quero ser o búfalo! O búfalo!

  3. Reply Peteca May 4,2007 00:21

    Eu gargalhei muito alto em algumas partes. E o engraçado é saber o que são as danças e coisas que você descreveu, mas ler com a sua interpretação. Cambonos viraram flanelinhas de orixá – ou seja, NUNCA mais eu vou numa gira de macumba e pensar que os cambonos estão ajudando. Só vou pensar em flanelinhas! Sensacional! E ô, na próxima feijoada, me convide! Eu encaro macumba numa boa por uma feijoada também, rá.

  4. Reply Leandro May 4,2007 01:01

    ah, vale a feijoada oh

  5. Reply Sergio May 4,2007 01:23

    Essa dos flanelinhas estacionando os orixás que desciam foi demais. Rr,rs.

  6. Reply Rodrigo May 4,2007 07:42

    Atlantes? ¬¬

  7. Reply Rodrigo May 4,2007 08:19

    Depois dessa pequena, porém significativa, manisfetação marcoreliana diante do primeiro comentário, concluo: tarde demais.

    Mas ficou uma dúvida no ar: aquele dia em que você queria escrever esse post, mas estava puto e tal, o emputecimento tinha algo a ver com o passeio? Você não parece ter chegado puto depois da feijoada….

  8. Reply Bernardo Zirpoli May 4,2007 09:03

    Antes o búfalo, pô.

    Candomblé é igual as outras, a diferença é esse “mistério” que se faz em torno. Viadagem.

    Foda é que não dá muito dinheiro, senão, ia começar a aprender a tocar cambão-de-fole. Melhor colocar a bíblia no suvaco.

    PS: Será que vem algum fundamentalista criticar aqui? Meto um bilique na cabeça dele.

  9. Reply Nil May 4,2007 09:12

    Aff…

    e eu tava tomando coragem pra ir conhecer o candomblé…

    Espero que em Curitiba seja tudo mais calmo… !

  10. Reply Yakumo May 4,2007 09:45

    Que bom, agora eu sei que Xogun é de japonês e Ogun de Candomblé, ahahahah

  11. Reply Sandro May 4,2007 09:57

    Marcurélio, infelizmente a vaga de búfalo já foi preenchida. Informo que temos disponível as vagas de galinha, anta e jacaré (que só se defende com o rabo). Escolha a vontade.

    Abraços,

  12. Reply Edson Luis May 4,2007 10:27

    Parabéns,
    É um achado este site, “Jesusmechicoteia”, adoro ler este site, não sei se o nome é blog ou flog, tanto faz, mas é sensacional, engraçado, inteligente e outras coisas mais.
    Não acho que tenho intelecto suficiente pra entender tudo, mas acabo aprendendo muito e melhorando meu vocabulário, pois agorinha mesmo adicionei as palavras “misógino” e “apolínea”.
    Estou ficando mais culto, certo ?

  13. Reply Edu May 4,2007 10:29

    Nenhum deles se virou pra vc e disse:
    “Xunxê num podi furunfá cá guia”? hahahahhahahahahah

  14. Reply Menina Eva May 4,2007 11:23

    Fico feliz pela raiva ter dado um tempinho pra você escrever.

    Quanto ao babalorixá machista e separatista, ele é só igual a um monte que tem por aí. As semelhanças realmente causam estranheza.

  15. Reply Vecna May 4,2007 11:23

    Grande “Chicoteia” a muito que leio esta coisa e me agrada a cada dia saber das aventuras do Emotionrélio (falando nisso, o emotionrélio volta ou não?) bem essa aventura no candomblé deve ter sido muito louca? mas a fejuca vale ficar surdo de tanto ouvir as batucadas? e qdo o facão de Ogum passava, o 3º olho se fechava também?

    Shalom!!

  16. Reply bobmacjack May 4,2007 12:46

    Hahaha, muito bom! Interessante descobrir que o Egito não fazia parte da África quando existia a Atlântida.

    Vem cá, que som tem um traquebuqui?

  17. Reply Lambonbroadway May 4,2007 12:47

    “…dois atabaques, uma cabaça, um agogô, três biliques, um cambão-de-foles e sete traquebuquis (tá, esses três últimos eu inventei) ocupavam o espaço.”
    É por essas que eu sempre volto aqui! Inté,

  18. Reply PAULO May 4,2007 13:24

    Muito bonito, muito bom.. tá, tá, tá.. feijoada, viado, orixá, ex-seminarista… é quase um circo!!
    Mas cadê o novo capitulo??????

  19. Reply daniel, o bastos May 4,2007 13:26

    religião é a mais civilizada e adulta forma de dizer “eu tenho, você não te-em”, seja qual for.

  20. Reply ana cartola May 4,2007 13:57

    Fantástico! Melhor que a feijoada.
    (Ah, a feijoada…)

    Quando comecei a ler a relação de instrumentos, fiquei pensando como diabos você sabia o nome deles.
    Santa ingenuidade, bátima.

  21. Reply bromco May 4,2007 15:04

    Hahahahaha

    xogum foi a melhor

  22. Reply Rodrigo May 4,2007 15:16

    Gostei do assunto puxador por (note a ausência de gênero) Vecna:

    Faz cara de flanelinha de orixá no emotionrélio!!!!

  23. Reply Peteca May 4,2007 15:46

    Esqueci de perguntar: o Pai Zé das Intenéti incorporou?

  24. Reply marcus May 4,2007 16:39

    Muito bom. Manteve o nível do post anterior.

  25. Reply Lívia May 4,2007 16:50

    Tô amando esse blog..
    Comecei a ler tem pouco tempo,mais é muito divertido!
    E a feijoada..era boa mesmo..haha
    Que experiencia hein..rsrs

  26. Reply Lambonbroadway May 4,2007 17:27

    Cara, eu ainda tô chorando de tanto rir. “Cambão-de-Foles” é simplesmente fantástico!

  27. Reply Lontra May 4,2007 21:56

    Cara, até agora estou rindo pelos traquebuquis…

    Eu, que conheço um pouco de instrumentos musicais do candomblé, fiquei uns segundos tentando lembrar quais eram os intrumentos que você inventou. Nem preciso dizer que foi em vão…

    No mais foi ótimo o texto, só para variar um pouco. A do Xogun (não seria shogun) também foi ótima. Mas ainda não entendi o motivo do emputecimento de outrora. Pelo que depreendi do texto, não foi por conta da experiência macumbística.

    Então nos esclareça, ó guru: o que pode ter causado em vós tamanha contrariedade?

  28. Reply Lontra May 4,2007 21:58

    Ps.: Quanto aos shoguns, bastava ter lembrado dos samurais. Shogun é chefe de samurai. Os samurais se tornaram Ronins exatamente por ter acabado o shogunato e eles terem ficado desempregados. Então se tornaram mercenários, para poder viver. Afinal, a honra nem é tão importante assim, né…

  29. Reply Vinícius May 4,2007 23:57

    Sensacional.
    Adorei!

  30. Reply Marco Aurélio May 5,2007 00:18

    LONTRA, VAI TOMAR NO CU!

    Cara chato da porra…

  31. Reply xinfrin May 5,2007 07:14

    ogum me chicoteia!

  32. Reply Bruno Ferrari May 5,2007 15:28

    puta.. demais… imaginei vc e o gaúcho petrificados na entrada do terreiro de Águas de Lindóia

  33. Reply Rogerio Goulart May 5,2007 17:25

    PUTA QUE PARIU O MELHOR POST DO ANO

  34. Reply Joaninha May 5,2007 17:53

    Xogum me chicoteia!!!!

  35. Reply Daleninha May 5,2007 22:43

    Caraca, texto ótimo!Sabia q vc ia conseguir fazer isso:transformar uma visita ao candomblé em comédia!!
    Amei!
    ;^)

  36. Reply André K. May 6,2007 00:34

    Tava sentindo falta desses posts. Axé!

  37. Reply Ará May 6,2007 05:36

    Amo muito tudo isso!
    /
    Beijim
    P.S. Xogum, agsdfhasfgh, ai.

  38. Reply Paula May 6,2007 18:15

    SENSACIONAL! HAHAHAHAHAHA
    Tbm gargalhei alto algumas vezes, mas como ler um texto desses e manter a compostura? Quando crescer quero escrever feito você. ;)
    Depois que conheci esse blog posso dizer que sei o mínimo da Bíblia e agora.. do Candomblé (salve atlantes!). Posso virar uma teóloga um dia, quem sabe?

  39. Reply Edi Mort May 6,2007 23:10

    Cara
    Ainda bem que vc não encontrou o Exú-Tranca-rede no terreiro. Quem usa a net sabe do que eu estou falando…. hehehehe. Post nota 10. Abraços.

  40. Reply Irmão May 7,2007 00:44

    “Extático frenesi”!!! o/ /o o/

  41. Reply Jaime May 7,2007 12:22

    Caralho, parece que funcionou! Acabei de ver o chicoteia.XXXXXXXXX.com e está tudo lá! o/
    Ó, eu tenho uma porrada de temas bacanas que você pode adaptar e alguns plugins pro WP, que ajudam para caralho no dia a dia do site.
    Continuamos por email…
    []´s!

  42. Reply Cris May 7,2007 13:05

    hahauihauaihuha…
    É por essas e por outras que nao dá pra deixar de ler esse blog…rs

  43. Reply Aline May 7,2007 17:19

    Como sempre eu dei muita risada com seu post, mas na parte do Xogum eu quase tive um colapso, nunca comentei no blog por que nunca achei necessário, você é bom e já tem gente demais dizendo isso, mas esse post, você se superou, parabéns !!! KISSes :***

  44. Reply Vecna May 7,2007 17:54

    O Rodrigo, to meio avuado, mas como assim “ausencia de gênero”??? (se isso foi uma pergunta besta, dexa quieto!) ja o caso do emotioriélio seria legal mesmo a sua sugestão…hehehe…

    Saudações narigudinhas

    Salom

  45. Reply Renata May 7,2007 19:44

    O que a pessoa não faz por uma feijoada, hein?
    Mas pelo menos deu para “conhecer” instrumentos que nem existem! ;D

  46. Reply agnaldo May 7,2007 22:31

    eita ferro…
    bão dimais…
    mas respona um troço: q carai de diabos vc foi fazer numa macumba??? nem pela feijoada… (não como isso… ehehehh)

  47. Reply tina oiticica harris May 8,2007 00:47

    Li um pedacinho sobre o Erasmo. Ele foi muito gente boa em Guaraparistock. Comprou frango pra todos os presentes, um catatau de gente, mais um momento Forrest Gump na minha longuíssima vida. Ah, teu post sobre candomblé, que é diferente de macumba ou de quimbanda, nãao brinco com essas coisas não.

  48. Reply Rodrigo May 8,2007 11:46

    com o avoad”o”, o gênero ficou claro.

  49. Reply Mayara ¬¬" May 8,2007 14:55

    Onde, na cidade de São Paulo, eu encontro para comprar um Cambão-de-Foles?
    Fiquei curiosa. *cof,cof*

  50. Reply Filipe le con May 8,2007 18:29

    Hum… é…
    Realmente, o candomblé “cinco estrelas” deve ser um negocio meio frustrante. Mas é bom para ver como, quando paramos para procurar, os verdadeiros rituais parecem sumir do nosso campo de vista. Carta vez, quando uma amiga francesa vinha para o Brasil, resolvi passar em uma das numerosas lojas de macumba da avenida Cupecê para me informar sobre um local qualquer aonde pudesse leva-la para ver uma cerimônia autêntica. Cheguei na hora de fechar, olhei as inumeras velas, os bonecos, as cumbucas de despacho e depois fui perguntar para o dono da loja como quem não quer nada. O cara, que estava conversando com mais duas ou três pessoas, me olhou, olhou para os outros, e deu uma resposta esquisita, recomendando que eu fosse procurar um outro lugar. é uma religião que se pratica às escuras e os “negões bebendo sangue de galinha” so podem ser vistos se você for recomendado por alguém que eles conhecem.
    Se você descobrir um lugar assim, me avise!

    Ah! E ainda bem que você se lembrou da historia do Xogum. James Clavell agradece!

  51. Reply daniel, o bastos May 9,2007 12:49

    putz, parabéns. o layout novo tá foda…sem superlotação de anúncios gooooogle, haha!

  52. Reply zel May 23,2007 15:59

    ri muito muito muito, marco :) e vou contar: eu já fui numa festa dessa em campinas só por causa da feijoada, que saiu às 4 da manhã. valeu a pena, sim, mas confesso que fui dormir no carro lá pras 11 da noite e alguém me chamou pra comer :D

    beijão!

  53. Reply Ana Carolina Nov 1,2013 17:46

    KKKK, ótimo texto!
    Também tive uma experiência desse tipo, a qual narrei no meu blog. Passe lá para dar uma olhada!

    http://mparaphernalia.blogspot.com.br/2013/10/o-causo-da-umbanda.html

Leave a Reply