Um ateu sem argumentos

Explico o porquê de minha contrariedade ao me ver definido como um ateu sem argumentos.

Já faz uns dias que eu e Ana fomos assistir ao excelente Millions, de Danny Boyle (Boyle é responsável por coisas díspares e muito boas como Cova Rasa, Trainspotting, A Life Less Ordinary, e por aquela porcaria com Leonardo DiCaprio, The Beach. Millions recebeu por aqui um título até que feliz, Caiu do Céu; e chega de parêntese). O filme se passa em tempos recentes, mais exatamente quando da adoção do Euro. Dois irmãos se deparam com um problema e tanto: uma mala cheia de libras esterlinas, dinheiro que deve ser trocado ou gasto rapidamente, antes que se oficialize a troca da moeda na Grã-Bretanha. Até aí, nada de mais: Danny Boyle parece gostar muito mesmo de malas de dinheiro. O que faz desse um filme belíssimo, porém, é o personagem Damian, um garoto que sabe tudo da vida dos santos, e chega mesmo a falar com eles: fala com Santa Clara, com São Francisco de Assis, com o velho pescador Pedro e com São José, pai de Jesus. O menino é daqueles personagens feitos especialmente para conquistar o público logo de cara, como na cena em que o irmão o censura por ter levado uma enorme quantia de dinheiro à escola:

— What did you bring a thousand pounds to school for? Can’t you see that’s suspicious?

— It’s not suspicious, it’s unusual.

Pois muito bem: numa cena muito tensa do filme, eu achei que o menino fosse encontrar Jesus Cristo. Senti que ia começar a chorar, que é minha reação de sempre, ateu ou não, quando se fala de Jesus, ou quando o personagem aparece num filme, num livro, num quadro. No fim das contas o encontro nem acontece no filme (para meu alívio), mas comecei a pensar no quanto eu admiro Jesus, apesar de não ir com a cara do Pai dele.

Pensando nisso, cheguei a um trecho do livro A Misteriosa Chama da Rainha Loana, de Umberto Eco. O livro é narrado em primeira pessoa por um homem de sessenta anos que perde totalmente a memória, retendo apenas o que leu durante sua vida, o que não foi pouco. Ele viaja à propriedade rural da família para tentar recuperar suas lembranças, mas só consegue mesmo reproduzir sua formação literária, musical e política, sem conseguir lembrar lhufas. Bom, não vou contar o que acontece então, mas nesse trecho que citei um personagem chamado Gragnola, um anarquista na Itália de Mussolini (pense num cabra azarado…), expressa ao jovem Yambo (o protagonista) essa minha idéia sobre Jesus:

Jesus é a única prova de que pelo menos nós, homens, sabemos ser bons. Para dizer tudo, não estou seguro de que Jesus fosse filho de Deus, como uma matéria boa assim pode nascer de um pai cuja maldade é tanta coisa que não sei explicar. Também não estou seguro de que Jesus realmente existiu. Talvez nós o tenhamos inventado, mas é justamente esse o milagre, que tenhamos tido uma idéia tão bonita. Ou talvez tenha existido, era o melhor de todos e dizia ser filho de Deus por bom coração, para nos convencer que Deus era bom. Mas se você lê bem o Evangelho, percebe que ele também se deu conta no final de que Deus era mau: assustou-se no monte das Oliveiras e pediu que afastasse dele aquele cálice, e necas, Deus não lhe dá ouvidos; grita na cruz, pai, por que me abandonaste, e necas, Deus estava virado para o outro lado. Mas Jesus nos ensinou o que um homem pode fazer para reparar a maldade divina.

E há também a ressureição, é claro. Porque, vejam, hoje em dia você dizer que Jesus ressuscitou ou não dá no mesmo, ao menos em lugares razoavelmente civilizados. Porém, quando o cristianismo começou, professar essa certeza significava ser crucificado, ou comido pelos leões, ou exilado numa ilha remota até ficar maluco ou, na melhor das hipóteses, condenado a uma prisão domiciliar perpétua, que foi o que aconteceu a São Paulo. E, apesar disso, dezenas e dezenas de homens e mulheres continuaram afirmando que o tal judeu que morrera poucos anos antes era filho do único Deus existente, e que ressuscitara ao terceiro dia. Ei, há algo de errado aí. Pensem em Pedro, por exemplo. Pedro andou com Jesus o tempo todo. Devia ser seu discípulo mais chegado, se repararmos no quanto Jesus tirava sarro do coitado. Então: quando chegou a hora do vamos ver, Pedro não titubeou em fazer todas essas afirmações perigosas. Ora, se a ressureição fora um embuste, que razão o pescador teria para manter essa posição? Será que ele estava doidinho para morrer crucificado de cabeça para baixo?

E Tiago, então? Tiago era irmão de Jesus. E quem tem irmãos sabe bem que eles não vão dar muita trela para o que você fizer. Não sei se Einstein tinha irmãos, mas vamos supor que tivesse: aposto que o irmão de Einstein achou todo aquele negócio de Relatividade, revolução da ciência, nova visão do universo e o escambau apenas “outra bobagem dessas do Albert”. Tiago era irmão de Jesus, portanto devia ser o último a se deixar convencer pela religião fundada pelo primogênito da família. E no entanto, sabem como ele saúda os cristãos em sua epístola universal? “Tiago, servo de Deus e do Senhor Jesus Cristo, às doze tribos da Dispersão, saudações”. Opa, aí está uma coisa que eu queria ver só uma vez: meu irmão se referindo a mim como “senhor”. Mas sabem quando isso vai acontecer? Nunca! Mesmo que um dia eu ganhe o Nobel de Literatura, ou descubra a cura definitiva para as frieiras, ou invente o moto-contínuo, meu irmão só vai olhar e dizer, “Ih, lá vem o Marco com as coisas dele”. Porque irmãos são assim, ora. Então por que Tiago não só se referia a seu finado irmão com o respeito devido a um deus, como ainda afirmou sua ressurreição, sendo levado à morte pela espada por isso? Não é normal, não é normal.

A fé que eu sustentei pela maior parte da minha vida era herdada de meus pais. Esse tipo de crença não se sustenta, e estou feliz por tê-la abandonado. Agora, porém, reconheço a possibilidade de voltar à fé por um caminho mais difícil e totalmente inesperado. E talvez não, talvez seja só minha cabeça me pregando peças. Eu sei lá. Nada no universo me leva a crer nem por um instante que exista algum tipo de deus, mas essa questão toda de Jesus Cristo me apoquenta diariamente.

Poucas páginas adiante, Yambo fala sobre Gragnola:

Seu problema era só com Deus, e devia ser um trabalhão, porque era como atirar pedras num rinoceronte, ele nem percebe e continua fazendo suas coisinhas de rinoceronte, enquanto você fica vermelho de raiva e acaba tendo um ataque.

É assim que eu me sinto. Não, não exatamente: sinto como se houvesse um muro, e que algumas pessoas dissessem que existe um rinoceronte do outro lado. Então eu apanho pedras no chão e jogo por cima do muro, para acertar o rinoceronte, o que é duplamente imbecil: se houver rinoceronte, ele nem se dá conta das pedradas; se não houver, estou jogando pedras em quê?


85 thoughts on “Um ateu sem argumentos”

  1. Muito bom esse texto.

    Vou até procurar o livrodo Umberto Eco!

    Eu não sou dos ateus que jogam pedra no rinoceronte, mas fico muito puto quando alguém me cobra mandando falar com ele, ou dizendo que o rinoceronte vai resolver seus problemas, desde que você peça.

  2. Eu só li dois blogs (ou sei-lá como vocês chamam essas bagunças): O Jesus me Chicoteia e o Fale com Deus. E eu só realmente refleti sobre a vida lendo um deles. Parabéns.

  3. Deus existe, acreditando nele ou não, pois a existência de algo só se dá quando se toma conhecimento dele. O problema é se nós existimos pra Deus. Acho que acreditar em Deus é crer que vc existe para o tal rinoceronte, ter certeza de que ele tomará conhecimento das pedras ou das flores.

    Jesus Cristo, por exemplo, chamou Deus de Amor e em nenhum momento jorrou dogmas e regras. Apenas falou de Amor, que nas mitologias pré-cristãs, era também um deus. É esse Amor que, na minha opinião, levou o Tiago a chamá-lo de Senhor, a admirá-lo assim. Quando alguém dá demonstrações claras de Amor à humanidade, o que pra mim é muito muito difícil(amar a Deus, como se entende por ái, é muito mais fácil), isso sim gera admiração. Porque você se sente existindo. Sente-se parte de algo muito maior que simplesmente viver, ou ganhar um prêmio de qualquer coisa.

  4. Citando:P. Roetan

    “É Marco, essa coisa de filho tá te afetando…”

    Realmente! Pare com esse ar de “sou o diferente, não creio em deus mas admiro jesus”, ambos são criações judaicas, advindas de mentes sem ter o que fazer a não ser aporrinhar e regrar a vida dos outros, aproveitando para ganhar um extra (leia-se dizimo) e encher a mente humana de medo, de humilhação e de falsas esperanças, como a sua de que o homem criou jesus como um simbolo do amor, por favor, se voce tivesse lido a biblia com um minimo de senso critico perceberia a real dela, de deus, jesus e seus apostolos.

    E cuidado com o que se dissimina na net, pois qualquer forma de comunicação, por mais “tosca e precaria” é capaz de convencer aqueles que querem ser convencidos.

    Sem mais,

    so mais um ateu.

    soh.mais.um@gmail.com

  5. Prezado Marco,

    Não que eu queira lhe convencer, pois não acredito na maioria das estórias

    religiosas vigentes. Acredito sim, em um Deus que dispôs tudo de uma forma

    a facilitar o nosso caminho, com um sol para nos aquecer, com águas, frutas,

    recursos naturais e com as qualidades que são próprias do ser humano.

    Parabéns pelo seu texto.

  6. Jesus disse: afasta, se possível de mim esse cálice, porque naquele momento ele estava recebendo ou receberia todos os pecados do mundo (cordeiro) e o efeito seria desastrosamente doloroso e impactante, não pelo fato, mas pela situação pior que provocaria que era: separaria o Senhor JESUS de DEUS, e Jesus já estava pensando seria ruim separar-se de DEUS. Sinto pelas vossas palavras e oro ao Senhor para que o Espírito Santo te revele a verdade e proporcione uma mudança radical, assim como aconteceu comigo. Para a glória do Deus vivo.

  7. ora pois.. obrigado.. agora tenho ainda mais dúvidas.. esse negócio de muro e rinoceronte realmente confundiu tudo..

    serei tbm eu um “ateu sem argumentos”?

  8. Marco,

    Antes de mais nada, parabéns pelo blog (ou é site?). Tirando o seu mau humor, aliás, seria de bom tom poupar-nos dele, de vez em quando, acho sua sátira da Bíbila um trabalho de primeira. E suas crônicas são muito bem escritas e divertidas (com evidente e – aliás, bem-vinda – influência de Luís Fernando Veríssimo e Walcyr Carrasco).

    Acho que a questão toda não está em crer em Jesus, Deus, Maomé, Ghandi (é assim que se escreve isso?) ou no Santo Aclécio do Sapato Xadrez. Também não importa a crença em esta ou aquela religião (eu, particularmante creio que a religião é um “negócio” – em todos os sentidos – dos homens). O que vale realmente é nossa consciência, nossa civilidade, nossa educação, nossa cultura e, principalmente, nossa compaixão para com o próximo (não leio a Bíbila por pura falta de paciência, mas acho que isso tudo está nela, misturado entre as parábolas).

    Se nos preocuparmos em lapidar constantemente cada um desses valores, creio que o deus que quisermos irá nos acompanhar. Ou melhor ainda: seremos todos Deus! Afinal, não é isso que o Evangelho prega? Que Deus-Jesus está em cada um de nós?

    Enfim…esse papo me deu fome…até!

  9. Mas não é que o Rinoceronte resolveu olhar por cima do muro pra ver quem é esse moleque que anda tacando pedras nEle?

    Te cuida Marcão… as coisas começam com vc reconhecendo Jesus e termina com vc amando o Pai.

    Vai por mim… aconteceu exatamente assim comigo.

    E quer saber? To adorando 🙂

  10. Marcos…

    Uma coisa que me pegou muito quando abandonei a fé foi justamente esse ponto:

    Se Jesus era uma farsa, porque todo mundo que o conheceu foi preso, torturado, morto, viveu em pobresa e td mais, mas em hipótese alguma negavam a Divindade e Ressurreição dele?

    Esse é outro motivo que me faz rir de manés como o cara aí de cima que vem com aquele discursinho manjado de “coisa inventada pra dominar e ganhar dinheiro”.

    Pedro, Paulo, Tiago, João, Estevão e aquela galera toda ganharam que dinheiro? Dominaram o que?

    Eles tinham um sentimento, uma crença e uma visão que nesse mundinho medíocre de hoje quase ninguém entende.

  11. Sempre fomos capaz de trocar alguns pequenos argumentos a esse respeito. Diferentemente da maioria das pessoas, sem que isso tivesse conotação pessoal. Continuemos então.

    Fico feliz por você ter esses momentos de reflexão. O JC era muito foda mesmo, e faz a maioria parar para pensar. O cara tem essa qualidade. Sem dúvida é um modelo a ser seguido.

    Quando a Deus… o que dizer? Tenho milhões de argumentos que comprovam sua existência, mas porque gastar minhas palavras? A gente sempre crê no que quer, não no que os outros nos dizem, por mais comprovado que seja. É como quando uma mulher lhe diz: “Vou com o vestido vermelho ou com o verde?”. Ela não quer saber o que você acha, quer apenas uma homologação do que ela já acha e vai fazer. Se ela quiser o vermelho, não vai fazer a menor diferença você dizer que prefere o verde. Acho que você é meio assim com Deus.

    Com relação a maldade de Deus, não acredito nas declarações da Bíblia, sobretudo no velho testamento. Não acredito que Deus falasse com Moisés e que matasse pessoas. Acredito que Moisés era quem matava e botava a cupa em Deus. E onde você pode ver maldade divina no mundo de hoje, vejo justiça. Cada um colhe o que planta.

    Boa sorte nas novas crenças, boa busca!

  12. Parabéns pelo texto, muito bom!

    – Agora não vou dormir nem trabalhar direito até achar esse bendito livro do Umberto Eco, e a culpa é sua.

    – Tiago não era irmão de Jesus porque era filho de Zebedeu (até onde se sabe, Maria não era adúltera).

    – Que porra é essa do rinoceronte?

    – Depois de ler isso e os outros comentários, comecei a entender o que você quis dizer com o ateísmo ser “mais estúpido que qualquer religião”.

    Um grande abraço.

  13. Pois é Marco, aos 17 anos eu virei ateu (tenho velhos 21 anos), sem argumentos para continuar ateu me dizia AGNÓSTICO e urrava por aí: deus pode até existir, mas tô nem aí pra ele… e ele tão menos pra mim!

    O problema é que não era tão fácil assim, eu sempre me pegava com esse seu questionamento, tive um professor de filosofia que falava que existe um registro num livro que não me lembro qual sobre Jesus, citado apenas como um baderneiro, lógico que o livro se tratava de um escritor não religioso.

    Então decidi que não deveria acreditar, como algumas pessoas falaram por aqui, porém, a alguns meses atrás eu estava numa vigília (mesmo não acreditando eu ia a igreja, coisa de doido?! sei lá) e aproveitei para confessar, sabe-se lá porque.

    Fui direto com o Padre e falei: EU NÃO ACREDITO EM DEUS!

    O padre: Se você não acredita porque está aqui e veio se confessar?

    Poderia ter falado um monte de besteiras, mas, realmente pensei… acho que a gente deixa de acreditar em Deus porque percebe não ser fácil, ou ser coisa de bobo, que a gente é “mente superior” demais para acreditar em algo.

    Mas lá no fundo, a gente acredita, e fica se enganando… não é pregar o evangelho, não é converter multidões, não é ir pro céu… é só… ACREDITAR…

  14. No filme, na cena em que o ladrão invade a casa e está prestes a pegar o garoto, não é Jesus quem o salva? Ele aparece no corredor, bem rapidamente, e há uma ovelha atrás dele. Quem era então?

  15. Deus existe. Ele até tem um blog que, por coincidência, foi divulgado junto com o seu na Revista da Folha. Vc deveria falar com ele. Aproveite e pergunte onde Ele vivia antes de criar o Universo e tudo o mais. Essa dúvida está me atormentando!

  16. Eu diria “TREPA NESSA PORRA E OLHA DO OUTRO LADO, CARALHO!”, mas me dei conta das implicações de tal frase, de todas as suas interpretações possíveis… então ficarei calado.

  17. Sou ateu sim (sem duvida nenhuma) e falando em argumentos, num único explico a minha descrença:

    Nada justifica o sofrimento de uma criança!

    Ihhh, pode falar, pode argumentar, explicar, me acusar de estupido ignorante; mas é o que sinto. E olha que eu era crente antes de ser pai, hein?

  18. adorei seu blog. ateu sem argumentos? não achei. vc tem os seus. gosto de textos bem escritos e o seu é um, concordando ou não com o seu ponto de vista a cerca da religiosidade, vc está de parabéns. ah, só para não ficar em dúvida: sim, acredito em Deus. E muito!

  19. Concordo com o Davi.Pergunta: o deus do estuprador(que pede para não ser pego) é o mesmo da vítima?(que pediu para não ser violentada?

  20. A Melhor frase sobre religião que eu conheço vei de uma atéia.

    “Posso não acreditar em Deus e na Biblia mas se pegarmos tudo o que Jesus disse é bom e deveria ser seguido, afinal um carinha que pregou por 3 anos a 2000 anos atrás ter suas palavras perpetuadas até hoje deve ter alguma razão. (Mariza Orth). Aliás no geral as melhores concepções de religião/religiosidade vêm dos ateus e agnósticos. Abraços, Marcelo

  21. Acho que como Deus nos dá o livre-arbítrio acabamos colhendo o que plantamos e achamos que é um castigo divino. O bom pai deve deixar seu filho bater a cabeça sozinho de vez em quando não é mesmo?

    É burrice dizer que não exista algo inteligente que não tenha bolado todo o universo, daí teríamos que concluir que o acaso criou o universo, então a partir daí não creremos em mais nada! Nossa vida fica sem sentido… Pra quê viver? amar? sorrir? aprender? E de onde vem aquela sensação maravilhosa quando vc ajuda uma pessoa sem interesses? Se Deus não existe então o acaso é Deus, então Deus continua existindo!!!

  22. O final do seu post traduziu de uma maneira inacreditavel o que vc sente em relação a Jesus, só aquele treicho seria o suficiente 🙂

  23. Seguinte: a algum tempo venho acompanhando o seu blog e gosto muito da re-história da bíblia… com relação a ter ou não argumentos quem você tá tentando convencer? Se não for a si próprio é perda tempo. Com relação a JC tenho a dizer que ele e o que ele representa é mesmo do caralho!!! O cara é foda (sua mensagem é atual, então o verbo tem que ficar no presente). Faço estudos sobre o anarquismo e qual não é a minha surpresa ao descobrir que ele é fonte de inspiração pra uma facção anarquista dita “anarquismo cristão”. A mensagem “Amai ao próximo como a ti mesmo” carrega todo um cerne contra o sistema e contra as instituições estabelecidas! Poderia até me delongar sobre esse assunto trazendo a tona o questionamento de como o cara é julgado pelos judeus e tem uma pena romana? Mas esse não é o momento pra isso… e o melhor, os meus estudos apontam Ghandi como um dos seus maiores difusores com a sua mensagem revolucionária pacifista… pra cá a gente tem o Chico Mendes que fez um zaralho na região amazônica sem nunca ter levantando sequer um traque de festa junina. Não tem como não admirar esses caras… e pensar que são humanos, ridículos e limitados que só usam 10% de sua cabeça animal (citando Raul) como eu ou você.

  24. Esse post é um imã de fundamentalistas 🙂

    Mas achei excelente o texto. Não quero saber se você vai um dia acreditar ou não acreditar no maioral, mas é bom saber que existe a dúvida e não a intransigência.

  25. Ainda acho o ateísmo um caminho fácil demais e incompleto. Talvez seja mania minha editar que o mundo é intrincado, sutil e belo como O Nome da Rosa. E não raso e triste com O Código Da Vinci.

  26. Sem querer ser chato (mas ja sendo!)…bem…eh….. Esse Tiago ai que vc citou, é o Tiago discipulo de Jesus, e não o Tiago IRMÃO de Jesus… se vc ler direitinho vai perceber que existem dois Tiagos, assim como dois Simão!

  27. Não sei porque as pessoas sempre buscam uma razão para viver, sendo que o viver já é a razão. O homem é um ser como qualquer outro, mas a diferença é que nos levamos a sério. Às vezes, nos levamos a sério demais. A vida é o acaso, a coincidência, o inesperado. Se isso for deus, então não sou ateu. A idéia de que existe alguém que nos vigia e nos julga é, no mínimo, egoísta e vaidosa. Jesus pode ter sido um grande homem, um louco, um oportunista. Tanto faz. Ele foi um homem e isto já é,por si só, um motivo de desconfiança ou descrença, como queiram.

  28. Né por nada não…mas quando você era ateu assumido (ops, desculpe) todos te davam a maior força, e foda-se Deus e o caralho. Agora que você está meio indeciso (foi mal de novo) todos também parece que ficaram indecisos.

    É Marco, você conseguiu, senão um grupo de seguidores fanáticos, ao menos um bando de puxa-sacos!

    Cuidado! Jesus (e Hitler) começaram assim! hehehe

  29. opz bueno… q dizer dum blog, site, sítio, chacara ou simples boteco virtual onde um monte d loucos expoem suas idéias… gosto disso…

    Bem, sou espiritual, nao religioso. A religião prende o homem a uma série de dogmas e regrinhas estúpidas que só complicam e sempre afastam o ser humano da verdadeira PAZ, com ‘p’ maiúsculo e tudo.

    Sou cristão (me crucifiquem…) mas tenho mente aberta para discutir com tranquilidade qq tema… existem coisas estranhas na Bíblia, sim, existem textos até controversos, sim, mas a unicidade como ‘Bíblia’, 66 livros diferentes com um propósito final único eh muito show. E como tudo se encaixa nos nossos dias, tendo uma dica e uma solução para tudo…. Jesus foi , e e sempre será a personagem mais importante desse mundão velho… bah e assim não tem como vcs compreenderem pq eu tbm ja fui ateu, pagão, satanista, wicca e uma caiera de porcaria tentando achar algo que preenchesse (olha a mente poluída)o vazio interior de todo ser humano… e cristianismo de VERDADE não se discute, se vive e pronto. Não da pra discutir algo que não se conhece de verdade… por isso não discuto com ateus… simplesmente digo… ‘Conheçam a ESSENCIA.. SINTAM antes d jogar as pedras… bem isso eh quase impossível, mas ao menos e minha mensagem… Valew… ‘minha Paz vos dou, não dou como o mundo a dá’ – Jesus Cristo

  30. Já tentei pedrinhas, abandonei-as. Minha próxima tentativa foram tijolos, em vão ainda. Ainda tentei uma bazuca. Adivinha! o rinoceronte, nem tchum ou não havia rinoceronte nenhum.

    Outro dia, porém. Ouvi de um que caira no chão, que não podendo levantar-se um rinoceronte o ajudou. Senti veracidade nas narrações do meliante.

    Continuo na mesma.

  31. Como vai, Marcos? Vejo que bem pois seu dom está cada vez mais afiado.

    Não sou ateu (não nego a divindade, estou protelando) e não sou crente (apesar de ter sido criado como cristão) e me sinto cercado por todos que ou tem convicção (e com isso todos aqueles argumento batidos e interpretaçoes super ficiais) ou que não estão nem aí até a coisa apertar, a presa fácil pra qualque seitinha. A crença de um deus único e supremo já vem sendo defendida a mais de 2000 anos e somente agora que começa-se a ter algumas noções de como as coisas realmente funcionam na natureza(falta muito ainda pra se descobrir, é claro) mas é um pensamento estruturado e coerente, que constantemente avalia sua premissas. Quem defende a idéia criacionista (como disse antes, de forma superficial) diz que todas estas cadeias de acontecimento que nos dá sustento não pode ser fruto do acaso. Mas isso sempre foi defendido e mesmo assim pra isso funcionar temos de ignorar as partes ruins e quando não o pudermos, devemos nos considerar culpados. Mas de quê? Um novo racíocinio que leva em conta um estado inicial caotico e que vai se estruturando e organizando ao longo do tempo pois atende a uma premissa simples, estabilizar-se e passar a bola prá diante. É fruto do acaso? Pode ser! E para que isso aconteça basta tempo e um universo amostral realmente grande. Do tamanho do Universo.Que tal? A isso pouco se dedicou de forma continua e acertada, sendo onde mais se avançou foi no século que passou. E se você reparar bem, até nas palavras do Cristo, de forma clara, isso se manifesta:a evolução para algo mais organizado e justo. Onde? No sermão da montanha! Ele não disse que o manso herdaria a terra? Eu vejo a seleção natural se manifestando ai… Acho que isto é um dos motivos( lendo seu texto consegui entender o seu ponto de vista, que chega perto do meu)pelo qual é inquestionável o título Dele de rabi. Acho que Ele deve ter tido um puta insight. Coisas de Iluminados, tipo: Buda, Gandhi, Martin Luther King, etc…

    Continue seu trabalho: Questione!As pessoas precisam ser instigadas, seja pra aferrar-se mais ainda na sua crença, mas de forma mais justa e sincera, ou pra faze-las acreditar que no Universo só se consegue sobreviver colaborando…de forma justa ou sincera!

    Abraços.

  32. Bom!

    Tem várias opiniões interessantes, mas ao Aureo eu gostaria de responder que não é a primeira vez que o Marco toca neste assunto, sobre a grande procura dele por algo que deixou de acreditar, ou pelo menos quer deixar de acreditar. Provavelmente, Aureo, vc provavelmente não se lembra do post sobre ser corintiano em termos de fé, até pq ele talvez fosse mais sutil que este. Pra mim é simplesmente a repetição do mesmo sentimento do post referido.

  33. Por falar em filho a caminho, vocês

    já viram aquele filme Deixados para trás, das pessoas “arrebatadas” que somem no avião.

    Quanta baboseira!!!

    A religião servindo a interesses de fundamentalistas para tentar validar

    o apocalipse, uma luta contra o mal, segundo eles, contra a nova ordem mundial, dos Illuminatis, também outra besteira.

    Estou feliz com minha espiritualidade, já não sou mais presa dessas idéias que foram formalizadas ao longo do tempo, e chega de tribulação…

    E Marco, uma sugestão, pesquise sobre este assunto, acho que vai lhe render grandes dividendos literários.

  34. por essas e outros que prefiro o psdbismo das religiões: agnosticismo é o que há. Por que raios me importar com a existência de um rinoceronte do outro lado do muro?

    Eventualmente o muro acabará caindo. Se houver um rinoceronte, provavelmente soltarei um “ora, mas veja você!”. Se não houver… bem, se não houver, é a vida….

  35. Fui ler aquilo e achei tudo a ver (oia eu puxando seu saco) o que disse. Realmente, o crente que não vivencia sua fé e religiosidade com profundidade e retidão, é tão ruim (na minha opinião) quanto o incrédulo que não encontra paz e tranquilidade com sua liberdade de pensamento. Muito legal o disse… (oia eu de novo)

  36. Independente de quaisquer reflexões que esse texto possa ter suscitado (que não foram poucas), te digo que esse foi um dos melhores textos que já li por aqui. Reflexivo, sim, ponderado, pausado, calmo, sem perder a densidade.

  37. A dúvida…

    Essa é a parte mais interessante deste momento. Nada se transformaria se todos tivessem certeza.

    To adorando ler os coments. E como alguém já disse…não importa onde isso vai dar, só a discussão por si é interessante…

  38. Olha Marco, vc não pode ser ateu, pq vc fala muito melhor que muito cristão que existe por aí… isso me lembra uma frase que o Paulo Autran dizer uma vez: “Não sei se sou Ateu de verdade, pq nem sei se existem Cristãos de verdade…”

  39. http://www.orkut.com/CommMsgs.aspx?cmm=96350&tid=3414147

    rapaz, sinceramente nao sabia que ateu tinha de ter argumentos – mas sobre o sentido da vida me preocupei bastante.

    da uma olhada neste link, leia com calma.

    Acho que se vc se converter mais uma vez posso pensar que o meio influencia a crença – se vc tivesse sido criado na Suécia, por exemplo, talvez a tua necessidade de Deus nao existisse.

    Ou quem sabe nascido em 1240 na Australia.

    Bem, fica a dica – se quiser vamos por ideias la no orkut – te procurei mas vc sumiu o)

  40. Dependendo da evolução dessa história, teríamos uma típico testemunho daqueles que se compartilha na igreja: “eu era ateu, tinha um blog cheio de heresias que se tornou o mais famoso do Brasil, mas, assim como Paulo, eu caí do cavalo. Encontrei Jesus, mudei de vida radicalmente, e agora ela é outra. Graças a Deus.”

  41. Em alguns países centro-africanos, uma das grandes causas de morte são ataques de hipopótamos. Se quer acertar pedras em animais de grande porte, taí um povo que saberá te ensinar.

  42. Deixando Deus de lado um pouco, gostaria que você escrevesse sobre a grande idiotice dos idiotas: copa do mundo (que tá chegando, de novo); sobre aquela vinheta maldita da Globo que dá um assobio (ou assovio?) e fala “Brasilllll”; sobre a maldição de pintar (pintar? ou emporcalhar!) as ruas com aquele ufanismo tupiniquim…

    Você articula bem as palavras, portanto eis meu desejo. Você não dirige? Eu não jogo bola, não assisto, não torço. Nem pelo time do Brasil ?? NÃOOO! Algum comunista, sei lá quem, disse que religião era, ou é, o ópio do povo. Eu acho que é o futebol e suas malditas torcidas organizadas. Deixa Deus de lado um pouquinho e fale (mal, espero) da copa do mundo.

    Abraço.

  43. O Pai enviou seu Filho para Salvador do mundo.

    É lindo pensar que Jesus Cristo não veio sem a permissão, a autoridade, o apoio e a assistência de seu Pai. Ele foi enviado pelo Pai para que fosse o Salvador dos homens… Você já considerou alguma vez a profundidade do amor no coração de Jeová, quando Deus, o Pai, equipou seu Filho para a grande obra de misericórdia? Se não, seja essa a meditação deste dia. O Pai o enviou! Considere essa idéia. Pense em como Jesus cumpriu a vontade do Pai. Nas feridas do Salvador à morte, veja o amor do grande EU SOU. Também associe cada pensamento de Jesus ao Deus eterno, eternamente bendito.

    Que o Senhor, na sua infinita misericordia, abra seus olhos e teu coraçao, e te faça entender quao grande é o seu amor por ti.

    Cesar

  44. Ué! O que deu nesse blog? virou blog de pregação religiosa? Se continuar assim, o Marco deverá mudar o nome.Sugestão:”Chicoteia eles Jesus e livra o meu lado”

  45. Marco, sugiro que leia “A Vida Mística de Jesus” de H. Spencer Lewis – é um livro da Biblioteca Secreta da Ordem Rosacruz, que desde 1909 começou a tornar público seu acervo. Esse livro porém, se não me engano, foi escrito em 1929. Você deve achá-lo em sebos. Eu tenho, se quiser emprestado e tenho um monte de argumentos para ser ateu… podemos conversar.

    Abraço

  46. Pô! Se já ouviu uma história assim:

    Um sábio passeava pela praia pensando: eu não consigo entender Deus… e viu um garoto com uma concha trazendo agua do mar para um buraco na areia, o muleque ia e voltava e botava agua no buraco, o sábio curioso chegou pro garoto e perguntou: – aê! o que se tá fazendo?

    o garoto responde: – passando o mar pro buraco na areia! o sábio refletiu a atitude do muleque e disse:- tentar entender Deus é o mesmo que esse garoto está fazendo, colocar o mar dentro de um buraco na areia, como eu com uma mente finita tenta entender uma mente infinita? É bizarro mas é verdade, tentar entender Deus é impossível, mas, tenha certeza: Deus te entende, uma hora ou outra você vai enchergar a verdade!

  47. Corrija-me se eu estiver errado, mas:

    1) São Paulo não foi “condenado a prisão domiciliar perpétua”, e sim decapitado.

    2) Pedro não fez nenhuma afirmação perigosa. Pelo contrário, na hora H, ele negou conhecer o Cristo.

    3) Não é provado que Tiago era realmente irmão de Jesus, porque em grego, a palavra “irmão” e “amigo próximo” é a mesma. Ou algo assim, esqueci agora.

    4) Todos os seus argumentos partem do pressuposto que as narrativas bíblicas são verdadeiras, e não se pode dizer isso com certeza. Por que a bíblia é verdadeira e o Torá, ou o Alcorão, ou os Vedas, ou a Epopéia de Gilgamesh não é?

  48. Por suas últimas palavras, acho que você está deixando de ser ateu, está com idéias meio agnósticas. Espero que você possa entender que essa história de Deus grande e barbudo não existe,o que rola é que Deus é algo DENTRO, e não acima de você.

    Pense nisso!

    Abraços, adoro seu blog!!!

  49. Eu acho que nunca conseguiria ser engraçado num texto sobre meu ateísmo. Irônico talvez, mas engraçado não hehehe.

    Muito legal a forma como abordas questões tão impactantes. Veja como forma so comentários dos que creêm em Deus.

    Me sinto como tu. E pedras so jogo em alguns que me enchem falando do tal rinoceronte e suas coisinhas de rinoceronte…

    abraço

  50. Marcos,

    Eu sou aluno do curso de teologia, Deus, Jesus, Espírito Santo, são assuntos do meu cotidiano acadêmico e particularmente, estou pesquisando a vioda do Jesus histórico (que é diferente so Cristo da fé) e é interessante a sua analise de Jesus, pois o que me parece é que você admira o Jesus da história mas talvez tenha uma certa dificuldade em entender o Cristo da fé (eu também). O fato é: sua compreensão e admiração por Jesus pode aumentar significativamente depois da descoberta de alguns elementos que compõem a personalidade do Jesus da história. Você não é ateu, só não concorda com Deus, na verdade, acho que você crê para discodar.

  51. Eu acredito em Deus. Essa coisa de rinoceronte atrás do muro às vezes ronda a minha cabeça, mas eu não consigo deixar de pensar que quem talvez esteja esperando demais, fazendo algo errado, sou eu. Algo deveras desagradável.

    Mas eu não posso deixar de acreditar. É impossível; eu posso não acreditar em quase nada, mas em Deus eu acredito.

  52. De verdade… acho q qdo as pessoas se perguntam dmais sobre uma coisa eh pq ela ama mto a coisa e nao quer admitir.

    Assume logo sua postura cristã. De ateu vc num tem nada, pq senao nem comentar o nome dele vc comentaria. Te chamo mais d agnostico doq ateu 😉 Pra ateu vc tem q esquecer mtaaaa coisa ainda…

  53. Fantástico o texto sobre Jesus no quadradinho, nunca tinha pensado nessa idéia de que, se Jesus realmente não existiu, nós somos foda por termos criado uma idéia tão boa e generosa!

    Vc já leu um escritor espanhol chamado Miguel de Unamuno? Dá uma olhadinha depois se vc consegue encontrar um conto dele, chamado “San Manuel, el Bueno”, que fala de um padre que, sendo ateu, tinha a difícil tarefa de passar a palavra de Deus aos seus fiéis. A conclusão ao final é ótima….

  54. É, cara, as suas indagações procedem. A única coisa que teria algum sentido seria aquele lance de Pedro ter negado a Jesus três vezes por ele ter curado sua sogra.

    Piadinhas antigas à parte, pra mim o lance que mais pega é a Bíblia em si.

    Sei que há coisas “absurdas”, “sobrenaturais” escritas lá. Mas, cara, por que então os homens que supostamente escreveram-na colocaram histórias do tipo Jonas, que é engolido por um tipo de peixe grande, ou o lance do diálogo entre árvores? Quem leu ou assistiu a “Senhor dos Anéis”, percebe que muito de sua história foi tirada de muitas das histórias da Bíblia.

    Se eles não viram tais coisas, por que eles achariam que em qualquer futuro, distante ou próximo, alguém acreditaria? Bastava colocar qualquer história verossímil que beleza!

    E as histórias dos grandes heróis, dos patriarcas? Todos eles pecaram em grande estilo. E qualquer um sabe que toda boa religião jamais revelaria esses deslizes de seus heróis (vide o exemplo dos católicos tentando a todo custo esconder os filhos dos padres e encobrir os casos de pedofilia). Sem falar que, com o intuito de propagar uma religião, falar de logo de saída das mancadas de seus patriarcas é pura burrice.

    E mais, se alguém cria uma religião, porque criaria uma em que se condenam certas práticas ou costumes mais comuns aos seres humanos? Preservação da espécie? Criar pessoas neuróticas e infelizes? E por que as pessoas não seguem aquelas religiões hedonistas, então?

    E o lance do ateísmo é mesmo engraçado. Sabe, cara, o lance é que Ele não me deixa. Sabe o que eu mais me pergunto? Será que essa consciência de Deus é aquele lance de cultura mesmo ou é algo que já nasce com a gente, está no nosso DNA? Sei que há estudos seriíssimos a esse respeito mundo afora.

    Que coisa.

  55. Estou sempre por aqui te vendo jogar pedras no rinoceronte e achava muito divertido, pois o próprio ato evidencia sua fé (que é o fundamento das coisas que não se vêem e blah, blah, blah …). Esse texto foi um dos mais legais que já li no seu blog. Talvez todo esse tempo vc esteja fazendo o caminho certo pra encontrar a Verdade, quem sabe …

  56. Meu Deus (perdoe a expressão), é a primeira vez que entro no seu blog. Quantos comentários! (risos)

    Quanto à Jesus: ele era legal como muitos caras são e, se não fosse sua família, poderia ser muito mais.

    Abraços

    Fabíola

  57. Sinceramente, o mundo está perdido. Porque se importar com a vida de Jesus, uma pessoa que só fez o bem? O que há de errado em acreditar Nele?Deus? Se vc acha que Ele não existe, fique sem respirar por pelo menos 3 min. e aí se pergunte porque não consegue ficar sem respirar. De onde vc veio? Do macaco? De uma explosão? Vc é bonito, perfeito, tem dedos e pés, pensa, come e sente prazer. Será que td isso veio de uma simples explosão? Deus, criou isso. O resto é besteira. Vc sem Deus não é nd mas Deus sem vc continua sendo Deus. Ler a bíblia, isso não significa nada. É como ler uma receita e depois não saber fazer o prato. Vc pode frequentar a igreja toda a sua vida. Mas se não tiver comunhão com Deus, isso é bobeira, é tempo perdido.

    Cara, peça perdão a Deus por seus pecados. Não continue a fazer isso. Não reeenscreva a bíblia. Ela foi escrita por pessoas inspiradas pelo Espírito Santo. A bíblia é um livro santo.

    Minhas palavras são simples, mas uma coisa sei, Deus existe, senão eu não existiria e nem vc.

  58. Peraí, esse texto serviu somente para dizer que um ateu não teria argumentos para o cristianismo? Só se for um ateu burro…

    Ou serviu para dizer que vc era ateu e agora é cristão novamente?

    Sinceramente?! Não entendi o que vc quis dizer com esse monte de palavras amontoadas na entre duas linhas azuis…

  59. Eu tava lendo os comentários (adoro comentários de gente que leva tudo muito a sério), e vi a da moça que disse que se Deus não existisse, nem ela e nem vc existiriam.

    Bom, para os chineses e as culturas védicas, isso não cabe.

    Mas aí, Marco, se Deus não existisse, tal qual como se concebe essa figura poderosa, o Ocidente não existiria mesmo, nem você. (Levando em consideração o que eu disse sobre existência, é claro.)

    Como o Bush iria explicar o ataque ao Iraque sem a conversa que ele teve? (O irmão dele não iria achá-lo o máximo).

    Que livro você reescreveria em seu blog? Sem isso, a moça jamais saberia que você existe.

    Faz sentido…Tudo isso e muitos outros fatos históricos foram Graças a deus.

  60. A propósito, o seu argumento de que Jesus devia ser realmente “the real thing” porque seu suposto irmão Tiago cria em suas idéias é (me perdoe a franqueza) ridículo.

    Você traçou uma comparação imaginária em relação à nossa cultura atual e a cultura hebraica do século I. Beleza, nós brasileiros agimos dessa forma safada com os irmãos, isso não significa que um judeu de dois mil anos atrás também desconsiderasse as idéias de seu irmão.

    A propósito, NENHUMA das identidades dos autores bíblicos pode ser confirmada. O Tiago que assina a epístola poderia muito bem sequer ser o tal Tiago bíblico.

    Enfim, um ateu sem argumentos é um ateu que não tá pensando. Poucas coisas fazem tão pouco sentido como a bíblia. Se você não consegue pensar num argumento pra recusar uma idéia tão claramente brutal (Deus mata seu filho porque só assim pode nos perdoar? Deus cria seres humanos sabendo que muitos deles serão destinados ao inferno? WTF?), paciência 🙂

  61. Estamos chegando lá…Gostei deste último comentário.Entendo que uma

    coisa é o Criador e outra o que as

    religiões inventaram.

  62. Como estes fundamentalistas falam besteira. Prá que pesquisa ? prá que ciência? Esta gente vive na idade média.

  63. Seu último post não é apenas bonito, é uma “verdadeira verdade”, é a verdade da minha vida. Essa busca sem trégua não larga da gente.

    Fico feliz que você veja as coisas dessa forma, que tenha essa delicadeza em falar de crenças e divindades sem ser estúpido e imbecil como tantos outros.

  64. Marco, o povo quer saber: vc tá grávido ou não? Eu li algum trecho que me fez pensar a mesma coisa, mas agora não achei…parece que não, mas que ficou ambígüo, ficou.

  65. Fantástico o filme! Recomendação perfeita. É chato descobrir coisa tão boa que estava por aí no mundo, e pensamos “como vivi até agora sem saber disso?” Demais a fala de Damien, “I tried to give it to the poor, but it was too hard”. Achei aquela máxima de Ary Barroso na hora que gastavam o dinheiro uma pela piada com nosso país, da Lei de Gerson, etc. É uma música linda, acima de qualquer coisa. O filme também é nota 10! Valeu, Marco!

Diga aí!