Ressurreição

Hoje é Páscoa, dia muito adequado para ressuscitar o JMC. Ando deprimido e Ana Cartola diz que eu preciso encontrar algo que goste de fazer. O problema é que ultimamente eu não gosto de fazer nada. Então pensei: o que é que me dava prazer antes quando eu estava triste?, e lembrei aqui do véio JMC. Resolvi voltar, então.

Pensei muito antes disso. Um pensamento só, na verdade: será que meu pai se ofenderia se lesse este blog? Acho que não: eu e ele temos isso em comum, essa intimidade com os personagens da Bíblia. Meu pai, eu já contei aqui, comia pão com peixe e dizia: “Isso me lembra de quando Cristo multiplicou os pães e os peixes. Dois peixinhos, cinco pãezinhos: cinco mil pessoas comeram e ainda sobrou pão e peixe pra elas levarem pra casa”. Era como se ele tivesse estado lá. E assim ele era com Moisés, Davi, Paulo, João Batista, Daniel: contava histórias deles do mesmo jeito que contava histórias da infância em Monte Santo.

Mas mais do que isso, meu pai acreditava que todas as coisas eram segundo a vontade de Deus. Já recebi muitos e-mails e comentários de leitores cristãos dizendo que a minha versão da Bíblia os fez entender alguns trechos mais obscuros. Esses leitores dizem que Deus me usa para clarificar a mensagem dele. Eu às vezes gosto de fingir que acredito nisso: que existe um Deus, e que ele quer que eu tire sarro da Bíblia. Que meu pai está lá com esse Deus agora, e com os amigos que ele nunca conheceu aqui na Terra: Moisés, Davi, Paulo…

*   *   *

Para reabrir os trabalhos, um negócio que eu escrevi sobre ressurreição uma vez:

E há também a ressureição, é claro. Porque, vejam, hoje em dia você dizer que Jesus ressuscitou ou não dá no mesmo, ao menos em lugares razoavelmente civilizados. Porém, quando o cristianismo começou, professar essa certeza significava ser crucificado, ou comido pelos leões, ou exilado numa ilha remota até ficar maluco ou, na melhor das hipóteses, condenado a uma prisão domiciliar perpétua, que foi o que aconteceu a São Paulo. E, apesar disso, dezenas e dezenas de homens e mulheres continuaram afirmando que o tal judeu que morrera poucos anos antes era filho do único Deus existente, e que ressuscitara ao terceiro dia. Ei, há algo de errado aí. Pensem em Pedro, por exemplo. Pedro andou com Jesus o tempo todo. Devia ser seu discípulo mais chegado, se repararmos no quanto Jesus tirava sarro do coitado. Então: quando chegou a hora do vamos ver, Pedro não titubeou em fazer todas essas afirmações perigosas. Ora, se a ressureição fora um embuste, que razão o pescador teria para manter essa posição? Será que ele estava doidinho para morrer crucificado de cabeça para baixo?

E Tiago, então? Tiago era irmão de Jesus. E quem tem irmãos sabe bem que eles não vão dar muita trela para o que você fizer. Não sei se Einstein tinha irmãos, mas vamos supor que tivesse: aposto que o irmão de Einstein achou todo aquele negócio de Relatividade, revolução da ciência, nova visão do universo e o escambau apenas “outra bobagem dessas do Albert”. Tiago era irmão de Jesus, portanto devia ser o último a se deixar convencer pela religião fundada pelo primogênito da família. E no entanto, sabem como ele saúda os cristãos em sua epístola universal? “Tiago, servo de Deus e do Senhor Jesus Cristo, às doze tribos da Dispersão, saudações”. Opa, aí está uma coisa que eu queria ver só uma vez: meu irmão se referindo a mim como “senhor”. Mas sabem quando isso vai acontecer? Nunca! Mesmo que um dia eu ganhe o Nobel de Literatura, ou descubra a cura definitiva para as frieiras, ou invente o moto-contínuo, meu irmão só vai olhar e dizer, “Ih, lá vem o Marco com as coisas dele”. Porque irmãos são assim, ora. Então por que Tiago não só se referia a seu finado irmão com o respeito devido a um deus, como ainda afirmou sua ressurreição, sendo levado à morte pela espada por isso? Não é normal, não é normal.

A fé que eu sustentei pela maior parte da minha vida era herdada de meus pais. Esse tipo de crença não se sustenta, e estou feliz por tê-la abandonado. Agora, porém, reconheço a possibilidade de voltar à fé por um caminho mais difícil e totalmente inesperado. E talvez não, talvez seja só minha cabeça me pregando peças. Eu sei lá. Nada no universo me leva a crer nem por um instante que exista algum tipo de deus, mas essa questão toda de Jesus Cristo me apoquenta diariamente.

Leiam o post todo, se puderem. Não é particularmente bem escrito, mas é muito atual para mim.

Diga aí

31 comentários

  1. Grande Marco,

    Fico feliz em ver que você ressucitou o JMC. Me lembro de ter conversado com a minha esposa quando você parou de escrever, ela me disse o seguinte: “O JMC é a maneira que eu consegui de ler o velho testamento e não ficar louca. O texto original é muito estranho e a versão do Marco é mais light”.

    Você sabe a minha posição em relação a religião e qual é a forma que eu enxergo o conteúdo do JMC. Entretanto, como no caso da minha esposa, você está fazendo um trabalho de evangelização e, além disso, muitas pessoas começam lendo o JMC por brincadeira e acabam se interessando pela Biblia.

    Desta maneira, acredito que você faz uma trabalho de divulgação da palavra e por isso acredito que o seu pai nunca te repreenderia.

    Continue com o ótimo trabalho.

    Um grande abraço,
    Marlon

  2. Marco,

    Fiquei muito, MUITO feliz de ler esse “post da ressurreição”. Seja muito bem vindo de volta e tenha certeza de que, como um bom pai que foi, o seu esta contente de ver você fazendo o que gosta e procurando a alegria dos seus dias.

    Seja muito bem vindo de volta!

    Um grande abraço,

    Bruno Almeida

  3. Marco,

    Quando você aparece, mesmo que em condições especiais como essa, os seus leitores ficam mais felizes. Saber que muito do que você faz está no CQC já ajuda, mas é muito mais legal ver as *palavras* saindo da sua *boca*.

    Antes de mais nada, o apóstolo Tiago era irmão de João, e não de Jesus (Mateus 4:21-22), ou seja, ele era um puxa-saco qualquer, por assim dizer.

    Depois, das duas uma: ou realmente os apóstolos bolaram essa história toda muito bem (e conseguiram convencer Paulo depois) ou esse lance de Jesus realmente existe e você está no caminho certo em continuar investigando a bíblia e tranzendo pra gente suas histórias de um jeito único.

    Eu leio seu blog pelos feeds do reader, então seus posts de hoje foram lidos por mim de trás pra frente. Faz parte né? Vida de blogueiro é assim. Eu acredito que Jesus ressuscitou, pessoalmente, e do jeito que você fala do seu pai, acho que o cara estará de pé também no último dia, mas isso é só meu palpite.

    Um abraço,
    Thiago

  4. Valeu Marco! Eu sempre senti que essa sua interrupção seria apenas um descanso, algo como 1 ano sabático pra renovar sua inspiração. Pelo visto não sou o único que foi ajudado com seu blog, pois eu embora cristão, nunca havia assimilado o velho testamento. Com o blog, consegui pela 1ª vez juntar as peças e entender o conjunto da história, antes lia daquele jeito… um capítulo aqui e outro alí, nunca na sequência.
    Sou dos que acreditam que que Deus te usa sim. Embora vc seja sincero em negar a existência de Deus racionalmente, vc leva muito mais a sério do que muitos cristãos!
    Tenho certeza que seu pai, mesmo podendo se chatear com a abordagem do blog, hj se alegraria em ver que do seu jeito vc está continuando a falar de Deus.
    Tenho certeza também de que seu pai tinha plena convicção de que estariam juntos na eternidade, pois ele creu na palavra que diz: crê no Senhor Jesus e será salvo tu e tua casa.
    Abraços e até mais!

  5. Até que enfim uma notícia boa no mundo!!
    Cara, seus textos fazem uma falta desgraçada. Ainda bem que você resolveu voltar a escrevê-los. Espero que logo você volte à forma antiga e nos brinde com perólas do tipo da história de Moisés. Muitas das “salsinhas de Cristo” (lembra disso?) vão espumar novamente, lançar orações para você conhecer Jesus, ou algo do gênero. Não se importe. Você nunca quis vender a sua versão como a verdade absoluta. Você faz isso pela diversão. Acredito que seu pai valoriza mais esse seu sentimento do que qualquer outra coisa

  6. Ei Marco

    Adoro o seu site e fico muito feliz que você tenha voltado a escrever. Sei que é estranho, mas você é uma pessoa que está a “trocentos” km e faz a alegria de vários capixabas – todos os meus amigos e eu. Nós acompanhamos as fases difíceis que você passou e, é muito bom ver você voltando pra ativa(!).

    bjus

  7. Fim de feriado, só você mesmo pra alegrar!! Nossa, que delícia vir ler um post no JMC!!
    Gente, mas como assim irmão de Jesus?? Jesus não era filho único? O anjo apareceu de novo pra Maria ou ela não morreu virgem??? Preciso ler JMC desde o começo pra entender essa novela, rs!
    Bjs

  8. Bom, pode até não existir rinoceronte do outro lado do muro, mas e, mesmo se existir, ele não vai dar a mínima para as suas pedradas, mas o simples fato de você jogar a pedra irrita não o rinoceronte que pode nem existir, mas os seguidores do rinoceronte, que também estão deste lado do muro, que também não sabem se há ou não rinoceronte do outro lado, mas dedicam suas vidas a esse rinoceronte…

    Então, o valor de jogar as pedras não está em acertar o rinoceronte, e sim em, de repente, fazer com que algumas dessas pessoas vá cuidar da sua vida ao invés de viver seguindo regras estúpidas que, supostamente, o rinoceronte criou.

    O problema é que aí você também acaba vivendo a sua vida em função do rinoceronte, além de ficar se preocupando com a vida dos outros, enquanto sua vida passa…

  9. taí! a esperança é a última que morre mesmo!
    todo esse tempo em que vc esteve ausente, estive esperando
    passei por aqui, ou melhor, por lá todos os dias com a certeza que este dia chegaria
    aleluia!
    bjs

  10. Li muito pouco da Bíblia. Com a volta do JMC, sem dúvida me interessarei em ler O Livro inteiro, já que conheci o blog há apenas um ano. Você é artista da palavra escrita; é craque da primeira divisão, Série A. É curioso que a Bíblia seja sua maior fonte de inspiração, não? Parabéns pela decisão!

  11. Agora que me dei conta, se seu pai era de Monte Santo, era conterrâneo da minha sogra, que por outra conhecidência também veio de lá tentar a vida em São Paulo e venceu. Duas cidades privilegiadas, uma deu origem e outra acolheu duas pessoas tão iluminadas. Pois minha sogra também é um poço de bondade e generosidade

  12. Bom saber que voltou . Se existe vida do outro lado acredito que seu pai está feliz em vê-lo retornar ao velho JMC!

  13. Fico feliz por termos você de volta aqui! Gosto de pensar que, entre outros, meu comentário no outro post tenha ajudado você um pouquinho.
    Quanto à ressurreição, sendo um cristão que não gosta muito de religiões (eu sei que é esquisito, mas penso que o que Deus realmente diz é uma coisa e o que colocam na boca Dele, outra), tenho outras dúvidas mas creio na vida após a morte – se não for por mais nada, é porque a alternativa faz muito menos sentido pra mim.
    Por último, mesmo sabendo que é esquisito (tenho consciência do meu status de completo estranho e apesar do que escrevi ali em cima, não me iludo sobre a importância dos comentários no blog em geral e do meu em especial) se um dia você achar útil, tem meu e-mail no comentário, fique à vontade para escrever… Pronto, fiz minha coisa absurdamente nerd e invasiva do dia, posso ir dormir tranquilo. Um abraço e não se preocupe, não vou virar seu stalker nem nada do gênero.

  14. Oi Marco,
    Olha, acho que fazia mais de ano que eu não aparecia por aqui. Bati num artigo que entrevistava o Pastor Ricardo Gondim, da Bethesda (http://noticias.gospelmais.com.br/pastor-ricardo-gondim-favor-uniao-civil-gay-19123.html). Artigo muito bom, é difícil ver um cara sensato desse jeito. Mas fui ler os comentários. Morri de rir com os absurdos, parece que quanto mais o cara lê a Bíblia pior ele escreve (com algumas exceções). Enfim, voltei pra cá pra ver se tinha mais alguma daquelas cartas de caras te xingando, que sempre foram ótimas, e descubro que você está de luto, depois de muitos meses. É dificil imaginar você triste, sempre foi tirador de sarro… Enfim, dei uma lida no histórico, vi que você mandou pro saco os posts sobre a Bíblia, e eu estou entre os caras que aprendeu muito sobre a Bíblia com teus posts. Acho que o passado constitui quem somos, e você era o cara que mandava muito bem nas paródias bíblicas. Mas isso era só um pedaço de quem te acompanhava nesse pequeno espaço. Queria que 1/3 dos caras que eu vejo pregando por aí tivessem teu conhecimento.
    Não acho que ninguém vai se lembrar de você como o cara que falava mal da Bíblia ou algo do tipo, e sim como um cara que escreve bem, divertido, que temos o prazer de ler de vez em quando.
    Sua dor vai passar sim, mas demora. Meus sentimentos a você e à sua irmã, que eu não vejo faz um tempão.
    E escreve, cara, que ajuda. Mantém a cabeça ocupada. E se diverte, tenta mudar o padrão de pensamento.
    Um abraço!

  15. Marco,

    Depois de ler algumas páginas do blog, levo a crer que durante todo o tempo em que seu pai esteve vivo, ele procurou dar a você testemunho do amor e da ação de Deus no ser humano.

    O que é mais fácil, negar a Deus ou livrar-se de qualquer idéia ateísta/cética a respeito do mundo?

    Já conversou com os amigos da igreja de seu pai? Provavelmente eles também terão muitas histórias, testemunhos do poder de Deus, onde você fala “Não, não é possível”, mas aconteceu porque o rinoceronte desligou a stealth camouflage e manifestou 0,0001% de seu poder.

    Grande abraço e meus sentimentos, e parabéns por ter voltado.

    Só não se empolga e volta com o Emotionrélio, de feiúra já basta a dos vloggers.

  16. Marco,

    Gracias por voltar com o blog. Sou um indiferente tbm. Não mais Ateu porque o Dawkins e o Christopher Hitchens transformaram essa posição de tolerância em uma militância anti religião.

    Saiba que vc é um dos poucos talvez o único que consigo escutar sobre o assunto.

    Sabado vieram em casa dois amigos batistas tentar me converter. Estava completamente aberto a escuta-los. Fui com eles. E no alto de sua consideração pelo indeciso aqui louco por um pouco de metafísica e espiritualidade me levaram a uma festa da Igreja para me mostrar como a igreja deles é diferente das outras. Foda.

    Voltei pra casa pra pensar porque eles pensam que só porque não acreditamos em um Deus, ou na Igreja deles, somos como imbecis de 1e anos que não sabem de nada.

    Cansei e voltei a ler Os Dêmonios do tio Dosto. que já faz 6 meses que to tentando terminar.

    Um grande abraço pela volta

  17. o/o/o/
    Viva! Eu sou uma das que diziam ter aprendido mais sobre a Biblia com seu blog do que em anos de catequese e crisma.
    Tenho certeza de que seu pai tem orgulho de te ver distribuindo a palavra, ainda que do seu jeito! Parabens e obrigada por voltar!

  18. Marco,

    obrigado por ter voltado com JMC.
    Tinha descoberto o blog a menos
    de um ano e de repente, quando
    estava na maior empolgação lendo
    a sua versão dos livros do A.T,
    vc decidiu tirá-lo do ar. Essa
    foi uma das melhores notícias do ano.
    Um grande abraço, e como dizem
    nas igrejas por aí: seja bem vindo.

Diga aí!