Aborto 42

Perguntaram pra mim se ainda gosto dela se eu sou a favor do aborto. Respondi tenho ódio que sou contra e o Andréca me pediu pra colar a resposta aqui no blog. Então aí vai:

Sou contra [o aborto]. Já explico.

Durante muito tempo, eu fui jurado no Tribunal do Júri de Penha de França, aqui em São Paulo. Aprendi nas sessões o conceito de “in dubio pro reo”: se há alguma dúvida sobre a culpa, o benefício é do réu. Isso, no caso de um júri, significa votar pela inocência do réu se você tiver qualquer dúvida quanto à culpa dele. É ruim pensar que você pode ter soltado um culpado, mas pior ainda seria viver com a sensação de ter ajudado a condenar um inocente. Por isso mesmo sou contra a pena de morte: para condenar alguém à morte você precisa ter certeza absoluta; o que não é fácil.

E o que isso tem a ver com o aborto? Muito pouco, só a questão da dúvida. Quando começa a vida? Na fecundação, na terceira semana, no terceiro mês, no quinto mês? Ninguém sabe. Não adianta falar que o aborto é legal até a sexta semana, por exemplo: ninguém sabe se um feto de seis semanas é ou não um ser humano. E aí, o que que faz? Aceita a possibilidade de matar uma pessoa?

O que eu vejo por aí é muita gente falando que tem que liberar o aborto porque o mundo está cheio de crianças na rua roubando, fumando crack etc. As pessoas são a favor do aborto para se livrarem da visão dessas crianças e do medo que têm delas. Não pensam nas crianças: pensam no próprio conforto, na própria segurança.

Outro argumento que se usa muito é que tem muita gente fazendo aborto em clínicas clandestinas, com agulha de tricô, cabide de arame, vareta de medir o nível do óleo, sei lá.Aí dizem que seria melhor liberar o aborto. Só que tem a questão da vida: se o feto abortado já é um ser humano, o aborto é assassinato, não importa se feito num fundo de quintal com uma vara de pescar ou numa clínica, com todo o conforto e tecnologia.

Ok, pode ser também que o feto NÃO SEJA um ser humano e que o aborto não tenha nenhum problema moral. Mas eu é que não quero viver com essa dúvida.