Salomão é ungido rei

(I Reis 1:11-53)

Enquanto Adonias dava sua festa, o profeta Natã resolveu que era hora de começar a mexer uns pauzinhos. Para começar, foi falar com a mãe de Salomão:
— Bate-Seba, viu esse negócio todo aí do Adonias?
— E quem não viu, Natã? Só mesmo o rei, que agora vive de safadeza com aquela sunamita sem-vergonha. Quando eu era bonita ele me viu pelada e fez tudo quanto foi loucura para ficar comigo. Agora é o que se vê, o dia todo deitado com a tal Abisague no maior chamego. Velho safado…
— Pois é, pois é! O rei não sabe de nada, é como você diz. E se as coisas continuarem assim, você e seu filho podem se dar mal.
— Epa. Como assim?
— Oras! Adonias não convidou Salomão para a festa. Seu filho é um concorrente, e se Adonias for mesmo reconhecido como rei, o bicho vai pegar. Ele não vai deixar vivo outro herdeiro do trono.
— E o que a gente pode fazer, Natã?
— Engraçado você perguntar. Estava mesmo pensando num negócio aqui…
Minutos depois, Bate-Seba entrava no quarto de Davi. O velho rei ficou surpreso: era raro que qualquer de suas esposas viesse vê-lo depois da chegada de Abisague, e Bate-Seba, com todo seu orgulho, era a menos disposta a fazer uma visita de cortesia. Mas ali estava ela. O rei olhou para aquela matrona que lhe fazia uma reverência, e tentou associá-la à bela moça nua que vira do terraço tantos anos antes. Não conseguiu.
— O que você quer?
— Rei Davi, o senhor jurou por Javé que meu filho seria seu sucessor no trono.
— Jurei?
— Jurou.
— Lembro não.
— Mas jurou.
— Hum. E seu filho é aquele menino, né? Aquele lá. Aquele que teve aquele negócio do… Que pegou aquele troço uma vez lá no… O menino que fez a… Né?
— Salomão.
— Hum?
— O nome dele, do nosso filho. Salomão.
— EU SEI, DIABO, EU SEI! VOCÊ ACHA QUE EU NÃO CONHEÇO MEU PRÓPRIO FILHO?
— Longe de mim pensar uma besteira dessa, majestade.
— Humpf.
— …
— O que você quer?
— O senhor jurou que…
— Já sei, já sei! Tá pensando que eu sou o quê, algum velho caduco?
— Claro que não, que idéia! O negócio é que Adonias se auto-proclamou rei sem que o senhor soubesse.
— Adonias?
— Seu filho…
— EU SEI QUEM É ADONIAS! QUE INFERNO!
— Pois então.
— Que história é essa de rei? O rei não sou eu?
— Claro que é, majestade. Mas Adonias diz que o senhor já está muito velho, e que ele é o herdeiro do trono. Está agora mesmo dando uma festa lá pros lados da Pedra da Cobra. Os irmãos dele estão lá, Abiatar e Joabe também.
— Ué. Abiatar e Joabe?
— Exatamente.
— Então vai ver o garoto tem que ser rei mesmo. Está bem assessorado.
— Mas o senhor jurou que…
— EU SEI O QUE JUREI! Grunf. Olha aí, já chegou mais gente. Quem é?
— Sou eu, majestade. Natã.
— Conheço Natã nenhum.
— O profeta Natã…
— Profeta… Profeta… Ah, sim! Natã, como vai? O que o traz aqui?
— Nada de muito bom, rei Davi. Por acaso o senhor anunciou que Adonias seria coroado rei? Acho que houve alguma falha de comunicação, porque eu não fiquei sabendo de nada…
— Adonias?
— Seu filho…
— EU SEI, CÁSPITA! Essa outra aí já me contou da festa e coisa e tal.
— Pois é! Joabe, Abiatar e toda a corja estão lá gritando “Viva o rei Adonias!”, mais bêbados que o Bukowski.
— Hum. Não vejo nada de mais nisso, mas a Bate-Seba me disse que eu fiz um juramento e não sei quê…
— E o senhor não se lembra? Jurou que Salomão seria…
— Que Salomão seria meu sucessor. Mas que caralho, vocês acham que eu não lembro de nada é? Cadê a Bate-Seba? BATE-SEBA!
— Estou aqui, majestade.
— Bate-Seba, eu vou cumprir o juramento que fiz a você, ou não me chamo Saul.
— Davi.
— DAVI! Chamem lá o Abiatar.
— Ele está na festa do Adonias.
— Ô, diabo. Esse reino está me saindo uma esculhambação sem tamanho. Tem algum sacerdote em Jerusalém?
— Zadoque está ali no corredor.
— Eita! Parece até que vocês planejaram tudo…
— Hahahaha. M-mas que idéia, majestade!
— Hum. Chamem lá o Bodoque, então.
— Zadoque.
— FOI O QUE EU DISSE! Chamem esse puto, mais o Benaías. Não, Natã, você fica aqui.
— Sim senhor.
— Zadoque, meu querido!
— Eu sou o Benaías, majestade.
— Arre, égua!, vocês têm tudo a mesma cara. Esse outro é o Zadoque, então?
— Eu mesmo, majestade.
— Tenho uma missão para os três. Vocês vão pegar aí um punhado de oficiais, botar meu filho Salomão montado na minha mula e levar o menino até a Fonte de Giom. Quando chegarem lá, Zadoque e Natã devem ungir o garoto como rei de Israel. Depois vocês vão tocar as cornetas e sair gritando “Viva o rei Salomão!”. Então venham todos para cá, para que ele se sente no trono. Ele será rei em meu lugar, porque foi a ele que eu escolhi para governar Israel. Ele, entenderam? Salomão. Não aquele Adônis.
— Adonias.
— Que seja.
— Pode deixar com a gente, majestade! Que Javé confirme tudo isso aí, viu? E que ele esteja com Salomão como esteve com o senhor. E que o reinado de Salomão seja ainda maior do que o seu. E que ele faça…
— Tá bom, Zadoque, vai logo!
— Eu sou o Benaías, majestade…
— FODA-SE!
Os três saíram dos aposentos do rei, montaram Salomão na mula de Davi e cumpriram o ritual de unção de acordo com as instruções recebidas. Na volta para o palácio, porém, o povaréu foi se juntando ao cortejo do novo rei. Quando passavam perto da Pedra da Cobra, já eram uma pequena multidão gritando vivas a Salomão, cantando e tocando instrumentos. Adonias e seus convidados ouviram aquela algazarra e não sabiam do que se tratava. Estavam na dúvida quando chegou Jônatas, filho de Abiatar, com as notícias: Davi mandara ungir Salomão como rei, o povo estava com ele e os oficiais congratulavam o velho rei pelo acerto na escolha.
— Não pode ser!
— Mas é, seu Adonias. Dizem até que o rei tentou improvisar uns versos. Assim:

Louvado seja Javé
Porque é o que é
Me deixou ver em pé
Meu filho Salomé
Ser o rei de Israé.

— Mas o nome do moleque não é Salomão?
— Por isso o rei não terminou o salmo. Não é mais o mesmo…
— Sei não, sei não. Esse negócio aí não está me cheirando bem. Isso pode ser perigoso como o diabo. O que você acha, Joabe? Joabe? Cadê esse puto? Abiatar? ABIATAR! PORRA!
Percebendo o isolamento político em que se encontravam, os convidados de Adonias saíram de fininho. Afinal de contas, em pelo menos uma coisa ele acertara: era perigoso ficar isolado politicamente em Israel naqueles tempos (hoje em dia também, mas não vamos falar nisso).
Adonias, que havia pouco conhecera as delícias do poder, viu-se destituído do trono sobre o qual sequer chegara a sentar-se, e com a cabeça a prêmio. O novo rei não perdoaria sua ousadia. Então fez a única coisa que podia: correu para o Tabernáculo e agarrou-se às pontas do altar. De acordo com a lei, ninguém poderia ser morto na presença de Deus, ou seja, dentro da Tenda Sagrada. Lá de dentro, tremendo todo e agarrado com toda a força às pontas do altar, Adonias mandou seu recado:
— Só saio daqui se o rei Salomão jurar não me matar à espada!
Quando soube da reivindicação de Adonias, o novo rei fez seu primeiro pronunciamento público:
— Aê. Se o mano mostrá que é firmeza, eu trombo ele e não tem treta. Mas se vier com crocodilagem, é um-dois, mando subir. Tá ligado?
— C-como, majestade?
— MAJESTADE O CARAIO! ME CHAMA DE MANO!
— M-Mano?
— MANO!
— Mas é que…
— Ah, véio. Manda aquele cu-de-burro sair lá de onde ele tá muquiado, que eu quero dá uma idéia no figura.
— S-sim senhor…
— MANO!
— Mano, mano!
— É foda…
Os funcionários do palácio foram buscar Adonias no Tabernáculo. As mãos do coitado estavam crispadas em volta das pontas do altar, então ele precisou de ajuda para sair. Bom, o medo de encarar o novo rei também não ajudava muito. Mas todo mundo garantiu que estava tudo bem, que nada lhe aconteceria e tal, então ele foi ter com Salomão. Chegou, ajoelhou-se e encostou o rosto no chão.
— Ih, véio! Que parada é essa aê?
— Majestade!
— Ô caraio… Seguinte, mano: vaza.
— Hein?
— VAZA, MANO! RALA O PEITO! SOME!
Adonias não esperou terceira ordem: deu meia-volta e saiu. Estava vivo, surpreendentemente vivo. Mas todo mundo morre um dia. Uns vão mais tarde, outros mais cedo. Mas não vamos nos adiantar, os próximos capítulos serão bem movimentados. Será agitado o reino de Salomano.
Digo, Salomão.

Agradecimento especial: Muito obrigado ao Edu e à Bobie, meus colegas de redação, pelo Dicionário dos Manos. Será essencial para os próximos capítulos.

23 comentários em “Salomão é ungido rei”

  1. Muito bom! Muito bom! Sinto que vou me mijar de rir com o Mano.

    Só uma coisa que achei perdida ali no meio. Deve ser “Afinal de CONTAS, em pelo menos uma coisa ele acertara:”, né?

  2. Aê, mano, tô ligado que esses truta seu são tudo ponta firme! Quero só ver o resultado dos próximos capítulos… Esse tá ótimo!

  3. Muito engraçado o véio Davi falando palavrão.

    Tô morrendo de rir com tudo isso.

    Só não achei muito legal o Salomão ter a fala carregada no idioma dos Manos, mas acho que é questão de tempo pra digerir a idéia.

    Beijundas!

  4. Cara, demais !! Divertidíssima essa passagem !! Bate-Seba….será que foi daí que tirei meu nick?? hummm….

  5. Finalmente! Acho que o Marco Aurélio conseguiu recuperar todo o espírito que tinha durante o começo do blog. Acho que a coisa agora volta a ficar legal.

  6. Rí muito, Marco ! Muito bom !

    Dia desses, estive pensando : imagina como seriam legais as suas histórias ilustradas pelo Allan Sieber. Será que rola uma parceria ?

    Fica a sugestão !

    [ ]’s

  7. Aee Marco Aurélio…finalmente voltei a ler seu blog. E alías, continua de Parabéns. Há muito não mando msg pra ti. Mas esses tempos de vacas magras acabaram.

    E antes de mais nada….Feliz Aniversário (antes tarde do que nunca, neh??)

    Abraços,

    Fabi

  8. ahuahauhuahuahau

    Esse capítulo está excelente!!

    E paguei novamente o mico de rir alto no trabalho! heheheh

    Vc tem que publicar essas coisas…

    Abraços

  9. Achei muito interessante suas palavras, e espero que elas esteja guardadas tb em seu coração, não tenhomuito o que dizer, mas creioque Deus sim, e Ele diz: “Filho EU te amo meu filho levei muitas chicotada por amor a vc e não vai ser por essas que vou deixar de te Amar” Fica na Paz meu irmão

  10. Não acredito neste tipo de publicaçao! Isto é uma falta de respeito, o que que você é? Ateu? Alguém já te disse que você vai prestar contas com este DEUS, o qual tem zombado de sua palavra? Que o Senhor tenha misericórdia da sua vida, que um dia você experimente do amor maravilhoso e verdadeiro deste Deus, por que o que você faz é um absurdo, você deveria ser processado, tenho pena de você, mas gostaria muito que você lesse este comentário, que pensasse na palhaçada que está fazendo. Seu mau educado!!!

Diga aí!