Davi a serviço de Saul

(I Samuel 16:14-23)

Vimos no capítulo anterior que o Espírito de Deus apossou-se de Davi. Mas parece que Deus ainda não dominava direito esse negócio de onipresença na época, então seu Espírito teve que sair de Saul. Todos sabemos, porém, que a bondade e a justiça divinas são perfeitas. Tanto é que, tendo retirado seu Espírito de Saul, Javé imediatamente enviou um espírito mau para substituí-lo. O que isso significa? Que o rei, que já não regulava muito, endoidou de vez. Como temos visto até agora, ser dominado pelo Espírito de Deus também causava loucura. Mas há uma diferença: dominado pelo espírito mau, o cara só passa vergonha e não se diverte nenhum pouco. Saul, coitado, passou a ter crises cada vez mais freqüentes. Pela descrição feita na Bíblia (não neste capítulo, mas mais tarde), Saul apresentava todos os sintomas de um esquizofrênico paranóide. Se é que existe isso, esquizofrênico paranóide. Mas é bonito pra danar, vão dizer que não? Então. Foi nisso que Saul se tornou quando passou a ser atormentado pelo espírito mau: um esquizofrênico paranóide. Puxa, eu passaria o dia inteiro repetindo isso. Esquizofrênico paranóide. ESQUIZOFRÊNICO PARANÓIDE. ESQUIZOFRÊNICO PARANÓIDE.

Tá, parei. Vamos dizer que Saul sofria de Transtorno Bipolar de Humor, associado a Síndrome de Tourette e Síndrome da Mão Alheia. Um pouquinho de Transtorno Obsessivo-Compulsivo, talvez? É, vai bem. Só pra história ficar legal.

Ficava cada vez mais difícil conviver com Saul. Suas oscilações brutais de humor, sua agressividade inesperada e sem motivo, suas manias de perseguição, tudo isso tornava em um inferno a vida dos que cercavam o rei. Cansados disso, os empregados do palácio se reuniram e foram falar com ele:
— Majestade?
— Sim! Digam, meus queridos!
— Er… Bom. Seguinte: parece que o senhor está sendo atormentado por um espírito mau.
— Sim, rapaz, também andei pensando nisso. Estava aqui tentando achar uma solução. Um despacho, talvez?
— Nós pensamos em algo mais suave, para começar…
— É mesmo? Algo mais suave, não é? E no que foi que os FILHOS DA PUTA pensaram, hein? Em trazer suas mães, aquelas ARROMBADAS, para me sossegarem um tantinho? Ou talvez os CORNOS dos seus pais para virem aqui como bobos da côrte? Ou então… Ou então… Hum. O que é que eu estava dizendo?
— Dizendo? Não, o senhor não estava dizendo nada, majestade.
— Hum. Estranho. O QUE VOCÊ TÁ ME OLHANDO, SEU CU-DE-BURRO?
— É que… É que…
— DESEMBUCHA, PUTO!
— É que o senhor está… Hum… Manipulando seu magnífico pênis real.
— Manip… Eita, não é que estou mesmo? Não sei qual é o problema com essa minha mão esquerda, parece que tem vida própria. Mas… Onde é que estávamos?
— Pois então, majestade: pensamos em procurar alguém que toque harpa, e trazer para o palácio. Assim, quando o espírito mau vier atormentá-lo, talvez o senhor se acalme com a música.
— Hum. Tá aí, gostei da idéia. Gostei mesmo. Ei, onde vocês vão???
— O senhor acenou com a cabeça, ordenando que saíssemos.
— Acenei com a cab… Ah, malditos tiques! Vão logo procurar o tal harpista. Tomara que funcione, minha vida está um inferno.
— É pra já, majestade. Aliás, eu conheço um homem chamado Jessé, lá de Belém.
— E ele toca harpa?
— Nah, aquele não toca nem campanhinha. Mas o filho dele, Davi, é um grande músico. Além disso, é um bom soldado, valente, fala muito bem, é bonito, miudinho mas definido, sabe?, ruivinho, uma graça…
— Ok. Contenha sua veadagem e traga aqui o tal Denis.
— Davi, majestade.
— Esse aí.
Mandaram chamar Davi em Belém. Jessé, todo alvoroçado com uma convocação do palácio apenas dias depois de ver seu filho tratado com a maior deferência pelo lendário Samuel, tratou de caprichar no presente para o rei: mandou que Davi levasse um jumento carregado de pão, um odre de vinho e um cabrito para Saul. Lá foi o garoto para Gibeá. Saul gostou dele logo de cara. Talvez não gostasse tanto se soubesse que estava diante de seu sucessor no trono, mas é claro que ele não tinha como saber isso. Então ele acolheu Davi, e mandou uma mensagem a Jessé pedindo que ele autorizasse o filho a ficar morando no palácio real. E é claro que Jessé concordou, na maior alegria.
A partir de então Davi ficou trabalhando no palácio. Oficialmente, foi contratado como escudeiro de Saul. Mas fazia seu verdadeiro trabalho quando o rei tinha alguma crise: pegava sua harpa e cantava belas canções, muitas delas de sua autoria. E era ele começar a cantar para Saul ir se acalmando, até voltar totalmente ao normal.
Tendo o poder de acalmar a loucura do rei, Davi começou a ficar popular no palácio. Mas ainda era pouco.

Olha ele de novo

O sujeito do penúltimo post resolveu me enviar recados com ameaças veladas caso eu não apague o que escrevi sobre ele. Pois bem, não apago. Sou um homem de 29 anos, com a mentalidade de um homem de 29 anos, nem mais nem menos. Não sei a idade dele, nem me importo em saber, mas tem o comportamento de um garoto de 12. Não tenho paciência com isso: briguinhas de internet, clones, tentativas de invasão, o caralho a quatro. Então ficamos assim: o post continua. O garoto, mesmo estando errado desde o princípio, quer fazer pirraça. Pois que faça, oras. Só demonstrará ainda mais a enormidade de sua estupidez.