Cara Estranho

Olha só,
que cara estranho que chegou
Parece não achar lugar
no corpo em que Deus lhe encarnou

Tropeça a cada quarteirão
não mede a força que já tem
exibe à frente o coração
que não divide com ninguém

Tem tudo sempre às suas mãos
mas leva a cruz um pouco além
talhando feito um artesão
a imagem de um rapaz de bem

Olha ali quem está pedindo aprovação
Não sabe nem pra onde ir
se alguém não aponta a direção

Periga nunca se encontrar
Será que ele vai perceber
que foge sempre do lugar
deixando o ódio se esconder

Talvez se nunca mais tentar
viver o cara da tv
que vence a briga sem suar
e ganha aplausos sem querer

Faz parte desse jogo
dizer ao mundo todo
que só conhece o seu quinhão ruim

É simples desse jeito
quando se encolhe o peito
e finge não haver competição

É a solução de quem não quer
perder aquilo que já tem
e fecha a mão pro que há de vir.
(Marcelo Camelo)

Ok. Acho que TODOS os blogueiros devem dizer que se identificam com essa música, que são uns perdedores, uns zeros, uns caras estranhos. Então que se foda, não digo nada.

Minhas considerações sobre o VMB, finalmente

* Pelamordedeus. O que é a Fernanda Lima? Que exagero de mulher!
* Falando em exagero, alguém precisa avisar ao Frejat que banda NENHUMA precisa de 5 guitarristas.
* Uma perguntinha sem nenhuma intenção de ofender: Pra que serve o Charlie Brown Jr.?
* Foi legal ver os Detonautas recebendo o prêmio de Revelação do Ano: “UHU, É ROCK’N’ROLL, PORRA!”, “GRRRRRRRRRRRRR, CARALHO!”, AAAAARGGGGGH!”, aí chega o último cara e diz: “E gostaríamos também de agradecer aos nossos filhos e nossas esposas, sem os quais nada disso teria sido possível”.
* Gostei da participação do Dedé Santana. Legal ver um Trapalhão que não seja o Didi, que já perdeu a aura a tempos (sim, eu também sei usar os termos da Escola de Frankfurt).
* Los Hermanos são do caralho, é claro. Cada vez melhores. Caetano Veloso percebeu isso agora e, como é de seu costume, não perdeu tempo: tratou logo de abençoá-los publicamente. Eu se fosse o Marcelo Camelo mandava o baiano ir tomar no cu com sua barba postiça. Há trinta anos a música brasileira sofre com essa sombra, está na hora de alguém recusar a bênção de Caetano Veloso. (um parágrafo para irritar duplamente o Gravataí Merengue)
* Daniela Cicarelli é muito gostosa e tal. Mas suas intervenções nos intervalos do programa foram totalmente dispensáveis.
* João Gordo estava blasé ao receber o prêmio de melhor clipe independente. E o discurso antiimperialista do Jão, se não teve propósito irônico, foi meio constrangedor.
* Sonia Braga estava parecendo uma tailandesa. E tem idade pra ser avó do Júnior e tascou um beijo na boca do moleque. Enfim, eu comia. Não o Júnior, porra!
* Lázaro Ramos e Leandro Firmino da Hora apresentando o show de Marcelo D2: vou falar o quê? Os três são sangue-bom demais.
* E o D2 parecia estar chapado. Estranho.
* Falando em sangue-bom, Marco Bianchi é sangue-bom pra caralho. Ao contrário do Paulo Bonfá, que é um escroto.
* Er… Quem são Paula Picarelli e Aline Moraes???
* Me dei conta que nunca tinha visto meu xará Marco Aurélio, mais conhecido como Lacraia. Gostei dele.
* Por que a tal de Pitty só canta com aquele efeito irritante de eco?
* Algo que me pergunto sempre que vejo show do cara: onde o Nando Reis arrumou aquele baixista? Na APAE?
* Constrangedora a participação da modelo, manequim, sei-lá-o-que Isabeli Fontana, dizendo “Estamos aqui muito feliz”…
* DJ Patife resolveu fazer um discurso ao receber seu prêmio. “Eu tenho muita coisa pra dizer”. Muito bem, não é o que parece.
* Que MERDA foi aquela participação de Paula Toller, Marina Lima e Daniela Mercury??? Saí da sala de tanta vergonha.
* Repito a pergunta: Pra que serve o Charlie Brown Jr.?